São Paulo Metrô e CPTM fazem campanha contra assédio, diz governo

Metrô e CPTM fazem campanha contra assédio, diz governo

A cada dois dias, um caso de abuso sexual no transporte é registrado

Metrô e CPTM fazem campanha contra assédio, diz governo

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos afirmou ao R7 que faz campanha e orienta vítimas para combater casos de abuso sexual no Metrô e na CPTM. Nesta segunda-feira (25), levantamento inédito do R7 apontou que a cada dois dias, um caso de assédio no Metrô é relatado à Polícia Civil. Confira a íntegra da nota:

“O Metrô e a CPTM realizam regularmente ações e campanhas de combate ao abuso sexual e têm intensificado as medidas para coibir esse tipo de crime. Junto a outras instituições, as duas empresas participam da campanha ‘Juntos Podemos Parar o Abuso Sexual nos Transportes’, lançada em 29 de agosto no Tribunal de Justiça de São Paulo.

O objetivo é promover uma mudança cultural que estimule vítimas de abuso sexual nos transportes e/ou pessoas que presenciam algum episódio de violência a denunciarem os agressores, e consequentemente, inibir a prática desses crimes dentro ou fora do transporte público. Estão sendo veiculados cartazes em todos os meios de transporte público, vídeos, além de postagens nas redes sociais de todas as instituições participantes.

Simultaneamente às campanhas, o Metrô desenvolve estratégias operacionais e disponibiliza canais de comunicação com os usuários para combater esse tipo de ocorrência, estimulando que o cidadão denuncie essa prática. São mais de 1.100 agentes de segurança treinados e uma infraestrutura de 3.500 câmeras de monitoramento nas estações e nos trens. Ao ser acionado, o Centro de Controle de Segurança destaca os agentes mais próximos a qualquer ocorrência para a verificação imediata e providências.

Denúncias podem ser feitas pelo aplicativo Metrô Conecta ou pelo serviço SMS-Denúncia (97333-2252), que garantem anonimato ao denunciante. Como resultado do empenho do Metrô e da colaboração dos usuários em combater esse crime, 90% dos abusadores denunciados pelas vítimas são detidos pelos agentes de segurança do Metrô e encaminhados às autoridades policiais.

Na CPTM, a intensificação de campanhas de conscientização têm estimulado cada vez mais mulheres que passam por constrangimentos dessa natureza a levarem a denúncia adiante e registrarem BO em delegacias de polícia. Em caso de ocorrência, a vítima deve informar o fato imediatamente a um funcionário, apontando o autor, a fim de que o mesmo seja conduzido a uma delegacia para o registro do BO. Lembrando que, de acordo com a legislação vigente, essa é a única forma de obter êxito na ação, visto que, para a prisão do assediador, é exigido flagrante e testemunha. Em caso de abuso sexual é importante que seja apontada as características e roupas do autor do crime para que o mesmo seja localizado e detido.

A colaboração dos usuários, acompanhando a vítima para servir como testemunha e o registro da ocorrência na polícia, é fundamental para que todos os passageiros tenham seus direitos respeitados e os abusadores sejam punidos. Os usuários também podem contribuir com a segurança do sistema, denunciando eventuais irregularidades pelo serviço do SMS-Denúncia (97150-4949). O serviço garante total anonimato ao denunciante e a mensagem é recebida no Centro de Controle de Segurança, que destaca os agentes mais próximos para atuação imediata.

A companhia conta com 1.300 agentes uniformizados e à paisana, que fazem rondas constantes nas estações, e com um sistema de monitoramento com mais de 5.000 câmeras de vigilância em toda a rede”.