São Paulo PM é acusada de matar marido com ajuda de colega da polícia

PM é acusada de matar marido com ajuda de colega da polícia

Neilo Rego Lion, que também era PM, foi encontrado morto dentro de um carro  com o corpo carbonizado e seis perfurações por arma de fogo 

Os três policiais trabalhavam no 5° Batalhão da Polícia Militar

Os três policiais trabalhavam no 5° Batalhão da Polícia Militar

Reprodução/ Record TV

Uma mulher e sua amiga, ambas policiais militares, são acusadas de matar seu colega do 5° Batalhão da Polícia Militar, Neilo Rego Lion, de 44 anos, que ainda era casado com uma das suspeitas. O corpo foi encontrado dentro de um carro, carbonizado e com seis perfurações por arma de fogo, na Estrada do Sabão, em Guarulhos, Região Metropolitana de São Paulo, às 8h52 deste sábado (18).

Leia mais: Livro revela Suzane manipuladora e detalhes da morte dos Richthofen

A esposa confessou o crime e disse ter agido com a amiga. O carro foi achado em uma região de mata e no local também foi encontrada uma cápsula de munição deflagrada. O veículo já passou por perícia, que colheu possíveis digitais do autor do crime.

Segundo familiares, o casal estava junto havia 15 anos e tinha dois filhos, mas estava se desentendendo nos últimos tempos. O homem chegou a pedir a separação, mas a mulher se negou. 

Outro carro, gravado por câmeras de segurança seguindo o veículo onde estava Neilo, foi apreendido e encaminhado à Corregedoria da Polícia Militar. De acordo com a polícia, esposa e amiga prestaram depoimento na Corregedoria da Polícia Militar nesta terça-feira (21).

O caso foi registrado no 2° Distrito Policial de Guarulhos como homicídio simples e será encaminhado ao Setor de Homicídios do município, responsável pela investigação. A SSP (Secretaria de Segurança Pública) afirmou que o caso também é investigado por meio de um Inquérito Policial Militar.

Esposa esteve no enterro

No dia anterior ao assassinato, Neilo Rego Lione saiu de sua casa, localizada na Vila Sabina, zona norte da capital paulista, para ir até Bertioga visitar um tio. Ele deixou a residência na sexta-feira (17), às 11h, e avisou a esposa que voltaria no sábado (18).

Depois de ser encontrado morto, ele foi enterrado no domingo (19). No velório, a esposa da vítima estava no local. "Em nenhum momento ela chegou próxima ao caixão do meu irmão", recorda Gerice Lione, irmã da vítima, que é vereadora e Policial Militar. Ela ainda acrescentou que a mulher se justificava mostrando uma foto do marido, afirmando que preferia se lembrar dele sorrindo.

Neilo deixa três filhos. Ele trabalhava há cerca de 20 anos na Polícia Militar.

*Com informações da Record TV