Polícia Civil investiga furto de 40 cisnes do Parque do Ibirapuera (SP)

Estudante de veterinária seria o responsável pela comercialização dos animais em sites ilegais de vendas e grupos em redes sociais

Polícia Civil investiga furto de 40 cisnes negros do Parque do Ibirapuera

Polícia Civil investiga furto de 40 cisnes negros do Parque do Ibirapuera

Reprodução / Record TV

A Polícia Civil investiga o roubo de 40 cisnes negros no Parque do Ibirapuera, na zona sul de São Paulo. De acordo com informações da Record TV, os animais estão sendo roubados para serem comercializados ilegalmente na internet. 

Leia também: Rodízio reduz trânsito em SP, mas transporte público fica mais cheio

Em fevereiro, um homem foi preso em flagrante dentro do parque por furtar um cisne negro e colocá-lo em sua mochila. O homem pagou uma fiança de R$ 500 e foi solto em seguida. Os policiais também identificaram um segundo suspeito, um estudante de veterinária que seria o responsável pela comercialização dos animais em sites ilegais de vendas e grupos redes sociais. 

Em abril, a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente realizou um inventário no Pavilhão das Aves do Parque do Ibirapuera, e constatou o roubo de 40 cisnes negros, de um total de 79. As aves que pertencem ao Acervo Municipal de Anatídios possuem anilhas e microchips de identificação, ainda de acordo com a pasta.

Leia também: União e solidariedade são as armas contra coronavírus em Paraisópolis

Um boletim de ocorrência de roubo foi registrado em 13 de abril por um funcionário da Divisão de Fauna Silvestre no 36° DP (Vila Mariana), que instaurou um inquérito para investigar o caso.

No momento há 39 cisnes negros no Parque Ibirapuera, que está fechado ao público por tempo indeterminado, em razão das ações de combate ao novo coronavírus.