São Paulo Polícia de São Paulo pede prisão preventiva de Saul Klein por suspeita de abusos sexuais

Polícia de São Paulo pede prisão preventiva de Saul Klein por suspeita de abusos sexuais

Filho do fundador das lojas Casas Bahia é acusado de estupro e aliciamento por 14 mulheres, mas alega inocência

  • São Paulo | Isabelle Gandolphi, da Agência Record

Polícia de SP pede prisão preventiva de Saul Klein por suspeita de abusos sexuais

Polícia de SP pede prisão preventiva de Saul Klein por suspeita de abusos sexuais

Reprodução / Record TV

A Polícia Civil indiciou, nesta quinta-feira (28), Saul Klein, acusado de crimes sexuais contra 14 mulheres, e pediu sua prisão preventiva. O caso é investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri.

Klein, que é filho do fundador das lojas Casas Bahia, foi denunciado por estupro e aliciamento por 14 mulheres. Os crimes teriam sido cometidos desde 2008, durante festas que reuniam dezenas de mulheres na casa do empresário em Alphaville, na Grande São Paulo. O caso foi revelado em dezembro de 2020.

Na época, o advogado de defesa de Klein, André Boiani e Azevedo, afirmou que o cliente é "sugar daddy", termo usado para o homem que sustenta a parceira financeiramente em troca de sexo, e que ele não cometeu os crimes.

Por meio de nota, a defesa alegou que a decisão da delegada titular da DDM de Barueri "são atos discricionários da autoridade policial que não vinculam os demais atores processuais" e defende a inocência de Saul.

As investigações estão em segredo de Justiça.

A assessoria de imprensa das Casas Bahia afirmou que Saul Klein "não é herdeiro nem tem nenhum vínculo com a companhia de varejo".

Últimas