São Paulo Polícia de SP faz operação contra grupo que se passa por taxistas para roubar vítimas em baladas

Polícia de SP faz operação contra grupo que se passa por taxistas para roubar vítimas em baladas

Na hora do pagamento da corrida, suspeitos trocam os cartões bancários e memorizam as senhas para fazer transferências

  • São Paulo | Letícia Assis, da Agência Record

Máquinas, cartões e quatro táxis usados pelo grupo foram apreendidos na operação

Máquinas, cartões e quatro táxis usados pelo grupo foram apreendidos na operação

Reprodução / Record TV

A Polícia Civil realiza uma operação, na manhã deste sábado (20), com o objetivo de desarticular uma quadrilha de falsos taxistas que agem na zona sul de São Paulo. Dois suspeitos foram presos.

A ação é coordenada pelas equipes do 99° Distrito Policial, no Campo Grande, da 6ª Delegacia Seccional Regional de Santo Amaro. De acordo com o delegado Francisco Solano, responsável pela operação, os trabalhos de investigação são realizados há cerca de três meses.

A polícia conseguiu descobrir o modus operandi do grupo, que tem como alvo principal pessoas que estão saindo de casas noturnas da região. Segundo a corporação, os criminosos clonam os veículos, todos eles na cor branca simulando táxis, colocam sinais luminosos e atraem as vítimas.

Os suspeitos aproveitam o estado de vulnerabilidade das pessoas após o fim da balada, geralmente causado pelo consumo de bebidas alcoólicas, e agem.

No fim da corrida, no momento do pagamento, o passageiro tem o cartão trocado e a senha memorizada pelos falsos motoristas. Em seguida, com cartão e senha em mãos, são realizadas diversas compras, além saques e transferências de valores da conta bancária da vítima.

Segundo a Record TV, os criminosos não faziam ameaças, uma vez que as vítimas não percebiam a troca. Nos dias seguintes, os passageiros notavam movimentações estranhas na conta bancária e constatavam o golpe. O prejuízo de alguns ultrapassou R$ 10 mil.

Ainda de acordo com o delegado, até o momento foram apreendidos 20 cartões em nome das vítimas, máquinas de cartões e quatro táxis utilizados pelos criminosos. A polícia estima que outros seis veículos sejam usados pelo grupo. As equipes permanecem em diligências.

Prisões

As equipes conseguiram prender dois homens, de 25 e 27 anos, suspeitos de participar da quadrilha. Os dois detidos têm antecedentes criminais, segundo a polícia.

Outros dois homens chegaram a ser localizados pelos agentes dirigindo dois veículos suspeitos, mas conseguiram fugir para uma comunidade. De acordo com a polícia, as investigações identificaram outros dois homens, totalizando seis envolvidos no esquema.

Últimas