São Paulo Prefeitura de SP tem pior semestre de criação de vagas em creche

Prefeitura de SP tem pior semestre de criação de vagas em creche

Pelo menos 34.317 crianças ainda aguardam por vaga em creches na rede paulistana. Em meio à problema na área da educação, órgão troca secretários

Prefeitura de SP tem pior semestre de criação de vagas em creche

Creche em Paraisópolis, em São Paulo.

Creche em Paraisópolis, em São Paulo.

Zanone Fraissat/Folhapress - 19/06/2019

A cidade de São Paulo terminou o semestre letivo, pela primeira vez desde 2013, com menos crianças matriculadas em creches do que havia no período anterior. 

O portal de dados da Secretaria Municipal de Educação apontava, em 30 de junho de 2019, que havia 333.832 crianças matriculadas em creches. Em dezembro do mesmo ano, o número era de 333.922 — uma redução de 90 vagas. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (4) pelo jornal Folha de S. Paulo.

Leia mais: Polícia investiga denuncia de abuso sexual em creche em São Paulo

A administração tucana, iniciada por João Doria em 2017 e assumida por Bruno Covas em 2018, assinou, em 2017, um acordo com o TJ (Tribunal de Justiça) em que se comprometeu a criar 85.500 vagas até dezembro de 2020 — esse número, inclusive, era o número prometido por Doria em seu Plano de Metas. 

Para realizar o prometido, Covas terá que criar mais 35.847 vagas em creches — o descumprimento do acordado pode resultar em multa e processo de improbidade administrativa contra os responsáveis.

De acordo com dados obtidos pela Record TV, 34.317 crianças ainda aguardam por vaga em creches na rede paulistana.

A auxiliar de limpeza Suely da Costa tenta, há pelo menos um ano e três meses, matricular a filha de dois anos em uma creche da região onde mora, na capital paulista. "A última vez que eu olhei, minha filha estava no número 300 e pouco", diz, indignada. O documento de requerimento de matrícula mostra a data de 6 de abril de 2018. "Eles dizem que tem que aguardar".

Veja também: Covas vai dar bônus mesmo para professor que faltar em São Paulo

Como solução, Maria das Neves, mãe de Suely, caminha todos os dias cerca de 30 minutos para ficar com a neta, para que Suely possa trabalhar. "E a minha mãe, ainda, tem artrose nas duas pernas", conta.

Procurada pela reportagem do R7, a Prefeitura de São Paulo respondeu, por meio de nota, que o dado correto de crianças é 335.821, contabilizado também pelas vagas que já estão criadas e aguardam que as famílias levem a documentação necessárias para a efetivação da matrícula.

"Desde dezembro de 2016 até junho de 2019, foram criadas 51,6 mil novas matrículas na rede municipal. A fila da escola da pré-escola foi zerada e a fila da creche é a menor da história para o mês de referência. E o município foi pioneiro ao alcançar com antecedência de 5 anos a meta do Plano Nacional de Educação (PNE), de matricular 50% das crianças de 0 a 3 anos - hoje, são 61%", finalizou a nota.

Vai e vem

Em janeiro deste ano, Covas demitiu Schneider e nomeou João Cury para o cargo de secretário de Educação. Agora, em meio à falta de vagas para crianças em creches municipais, a gestão Covas exonero Cury e nomeou Bruno Caetano, ex-diretor-superintendente do Sebrae-SP, para o posto.