São Paulo Professora é demitida em SP após dizer que menina estuprada foi paga

Professora é demitida em SP após dizer que menina estuprada foi paga

"Não foi nenhuma violência", publicou em uma rede social a profissional, que já não faz mais parte do quadro da Secretaria Estadual de Educação

  • São Paulo | Elizabeth Matravolgyi, da Agência Record

A Secretaria Estadual de Educação de São Paulo demitiu uma professora que disse em uma rede social que o caso da menina de 10 anos estuprada pelo tio no Espirito Santo não se tratou de um caso de violência. 

Leia também: Em 2019, Brasil fez 72 abortos em meninas de até 14 anos

"Não foi nenhuma violência, ela já tinha vida sexual a 4 anos com este homem. Deve ter sido bem paga", registrou a professora em seu perfil do Facebook. Em um outro comentário ela acrescenta: "Criança se defende chorando pra mãe, está menina nunca chorou porque?".

Mensagem deixada em frente ao centro onde a menina violentada passou por um aborto

Mensagem deixada em frente ao centro onde a menina violentada passou por um aborto

YACY RIBEIRO - 18.08.2020/JC IMAGEM/ESTADÃO CONTEÚDO

Veja também: Os crimes que Sara Winter pode ter cometido ao divulgar nome de criança vítima de estupro

A história da criança de 10 anos, repercutiu em todo o país após ela ter descoberto uma gravidez, depois sobre com abusos do tio ao longo de quatro anos. A jovem teve que ir até Pernambuco para poder realizar um aborto autorizado pela Justiça. 

Leia mais: Corregedor pede informações sobre medidas em caso de criança grávida

Nesta quarta-feira (19), a Secretaria de Educação do Estado decidiu por demitir a professora devido aos comentários. Ela apagou todas as informações do seu perfil.

Últimas