São Paulo “Que fique o exemplo dele”, diz membro da Beneficência Portuguesa sobre Antônio Ermírio

“Que fique o exemplo dele”, diz membro da Beneficência Portuguesa sobre Antônio Ermírio

Velório é fechado à amigos, familiares e autoridades

  • São Paulo | Ana Claudia Barros, do R7

Empresários, políticos e familiares estão reunidos no salão nobre do Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, onde está sendo velado o corpo de Antônio Ermírio de Moraes. O local está fechado apenas para amigos e a família.

Diversas autoridades já passaram pelo velório e todos destacam o trabalho social do empresário. Cerca de 100 coroas de flores foram entregues no local. São tantas homenagens que elas já estão sendo posicionadas do lado de fora do prédio do hospital.

Fernando Ramalho Leite da Silva, presidente do conselho deliberativo da Beneficência Portuguesa, hospital onde Antônio Ermírio era presidente de honra, disse se tratar de “uma figura rara”.

— Para ter uma lembrança do Dr. Antônio, devo citar uma frase que uma vez ele disse: “O empresário que não acredita no Brasil deve comprar passagem só de ida”. Veja o entusiasmo de uma pessoa que, além de ter todas aquelas indústrias, que ocupavam o tempo, dedica-se ao próximo, à Beneficência.  Foi a Beneficência Portuguesa, foi a Cruz Vermelha, foi o Hospital do Câncer. Precisávamos de muitos brasileiros assim. Que fique o exemplo dele.

Veja fotos do velório de Antônio Ermírio na Beneficência Portuguesa

O ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan estava muito emocionado, com olhos marejados e a voz embargada.

— Fui amigo do Antônio Ermírio por muitos anos. Ao mesmo tempo, ele conseguiu ser um grande empresário e também um grande benfeitor da população. O trabalho dele na Beneficência foi extraordinário.

Fundador e presidente de honra do Grupo Votorantim, o empresário, de 86 anos, morreu na noite de domingo (24) em casa, na capital paulista, com insuficiência cardíaca. Ele deixou a mulher, Maria Regina Costa de Moraes, com quem teve nove filhos.

O economista e ex-ministro Delfim Netto lamentou a morte do empresário, dizendo que foi uma “perda inestimável”.

— Se você quiser uma definição de empresário, usa Antônio Ermírio. Fica um sentimento de saudade antecipado porque ele vai fazer muita falta. Ele analisava bem projetos e tinha uma coisa importante: era capaz de tomar riscos.

Empresário de sucesso, Antônio Ermírio de Moraes atuou também como político e escritor

O médico e ex-ministro da Saúde Adib Jatene se lembrou da amizade com o empresário.

— Trabalhei 18 anos com Antônio Ermírio. Tenho uma particularidade com ele. Nós fazíamos aniversário no mesmo dia. Ele era um ano mais velho do que eu. Trabalhei bastante com ele na Beneficência. Quando montei o programa de saúde da família, em Sapopemba, eu precisava fazer um centro de saúde. Então, fui falar com ele para ajudar. E ele disse: “Não, você deixa que eu faço”. E construiu o centro, mas, no dia da inauguração, não quis ir. Esse era o Antônio Ermínio. É uma pena. Uma perda enorme.  

O economista Lázaro Brandão afirmou que o empresário deixou “um legado excepcional”.

— Deixou certamente um empreendimento que serve de exemplo para os que queiram realizar um trabalho de vanguarda.

O velório vai até as 16h, quando o corpo segue para o Cemitério do Morumbi, na zona sul. 

Últimas