São Paulo Reforma da Previdência vai gerar economia de R$32 bilhões, diz Doria

Reforma da Previdência vai gerar economia de R$32 bilhões, diz Doria

Proposta encaminhada à Assembleia apresenta alterações nas regras de aposentadoria e pensão por morte dos servidores estaduais paulistas

Reforma de Previdência SP

Proposta apresentada altera pensão por morte e regras de aposentadoria

Proposta apresentada altera pensão por morte e regras de aposentadoria

Divulgação/ Governo de São Paulo

O Governo de São Paulo apresentou nesta sexta-feira (8) o projeto de Reforma da Previdência para os servidores estaduais. “Essa reforma é imprescindível para o estado. A previsão do governo é de uma economia de R$32 bilhões em 10 anos”, afirmou o governador João Doria.

A medida está contemplada em uma Proposta de Emenda à Constituição do Estado e em um Projeto de Lei Complementar de Reforma da Previdência do Estado de São Paulo que serão encaminhados à Assembleia Legislativa. Segundo o governo, a reforma vai garantir a sustentabilidade financeira dos recursos públicos e a recuperação da capacidade de investimento estadual. 

Leia mais: Prefeitura inicia reestruturação da administração indireta em SP

Em 2018, dos R$ 34,3 bilhões gastos para pagar 550.000 aposentados e pensionistas estaduais: R$ 29,5 bilhões vieram de fontes do governo e R$ 4,8 bilhões da contribuição dos servidores. A projeção do estado é que, em 2022, os gastos com os aposentados e pensionistas ultrapasse o despendido com os 643 mil servidores ativos.

Proposta de reforma

Os projetos são similares à Reforma Federal ao instituir a fixação de idade mínima para se aposentar, respeito ao teto do Regime Geral da Previdência Social para cálculo dos benefícios, novas regras para pensão por morte e contribuição de 14% para servidores inativos. Serão mantidas regras especiais para professores, policiais e pessoas com deficiência. Também haverá regras de transição para servidores que já ingressaram no funcionalismo estadual.

Veja também: SP está tomando medidas para evitar óleo no Estado, diz Doria

O secretário de Estado da Fazenda, Henrique Meirelles, lembrou que 14 unidades da federação descumprem o teto de despesas com pessoal ao comprometer até 80% de suas receitas, o que não ocorre em São Paulo.

Mudanças

Quando as novas regras entrarem em vigor, a idade mínima para aposentadoria voluntária será de 62 anos para mulheres e de 65 anos para homens. Já o tempo mínimo de contribuição passa de 35 para 25 anos de recolhimento.

Foi proposta a elevação da alíquota da contribuição previdenciária de 11% para 14%, mudança que entrará em vigor 90 dias após a aprovação do projeto pela Assembleia Legislativa.

Leia mais: Entre menores cidades de SP, Uru tem menos de 5% de verba própria

No texto, há também alterações na pensão por morte. O benefício passará a ser baseado em sistema de cotas, com previsão de valor inicial de pensão diferenciado conforme o número de dependentes. Haverá desvinculação do valor ao salário-mínimo, entre outras mudanças.