São Paulo Secretário garante não existir guerra de facções criminosas em SP

Secretário garante não existir guerra de facções criminosas em SP

Mensagens que circulam em redes sociais alertam sobre possíveis confrontos entre o PCC e grupos rivais. R7 questiona SSP desde 9 de janeiro

Não existe guerra de facções em SP, diz secretário

Secretário comentou sobre possível guerra de facções

Secretário comentou sobre possível guerra de facções

Eduardo Enomoto/R7 - 18.08.2017

O secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho, assegurou que a população paulista não corre risco de presenciar confrontos entre facções criminosas.

Na semana passada, o R7 percorreu regiões da cidade para apurar um suposto toque de recolher nas zonas leste, oeste, sul e norte da capital paulista.

"Não precisa se preocupar [com a guerra do crime organizado]. Pode ter um bando que tem desavença com outro bando de criminosos, e isso não desmente o que estou falando", disse o secretário durante coletiva de imprensa na quarta-feira (24).

A afirmação foi uma resposta ao R7, que questiona a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) desde o dia 9 de janeiro sobre possíveis confrontos entre as facções criminosas CV (Comando Vermelho), FDN (Família do Norte) e CRBC (Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade) contra a facção paulista PCC (Primeiro Comando da Capital).

O questionamento da reportagem surgiu depois de apurar cerca de 100 mensagens, áudios, vídeos e fotos que estavam sendo espalhados pelas redes sociais alertando uma possível guerra entre as facções. Por causa do conteúdo, moradores de alguns bairros periféricos de São Paulo chegaram a comentar sobre o possível toque de recolher.

“Se ficar dando atenção a boatos de WhatsApp, você não vai fazer mais nada na vida", afirmou o secretário para explicar a falta de retorno da pasta sobre o assunto. "Talvez seja por isso que a resposta [da SSP-SP] vem sendo ‘olha, não se preocupa, não há nada de concreto’. É porque não há mesmo”.

A pasta, no entanto, não havia dito "não se preocupe". Em nota enviada duas vezes em dias diferentes, a SSP-SP apenas comentava sobre a redução do homicídio e a Operação Ethos, que prendeu 53 advogados suspeitos de ligação com o PCC no final de 2016.

Barbosa disse que o trabalho da Segurança Pública de São Paulo garante que não aconteça confrontos em território paulista como ocorre em outros Estados do Brasil.

“Nós temos um bom trabalho de inteligência policial, tanto na Policia Civil como na Polícia Militar. Não há uma preocupação com o que acontece, infelizmente, em algumas outras partes do país", explicou.