São Paulo Sem aviso, Prefeituras de Osasco e Barueri aumentam tarifa de ônibus

Sem aviso, Prefeituras de Osasco e Barueri aumentam tarifa de ônibus

Unitário de ônibus passou de R$ 4,20 para R$ 4,35 a partir deste domingo (7)

Sem aviso, Prefeituras de Osasco e Barueri aumentam tarifa de ônibus

Passagem de ônibus também subiu em Barueri, na Grande SP

Passagem de ônibus também subiu em Barueri, na Grande SP

Reprodução Benfica BBTT

As Prefeituras de Barueri e de Osasco, na região metropolitana de São Paulo, aumentaram a tarifa de ônibus local neste domingo (7). Sem aviso e ou comunicado realizado com antecedência, os usuários do transporte público foram surpreendidos - a passagem mudou de R$ 4,20 para R$ 4,35.

Publicado apenas no Diário Oficial do Município, o prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), assinou o decreto 8.685, na última quinta-feira (4), três dias antes da mudança de valor entrar em prática.

Segundo o texto, "fica reajustada para R$ 4,35 a tarifa por passageiro transportado, nas linhas de ônibus municipais". O decreto afirma que entraria "em vigor a partir de zero hora do dia 7 de janeiro".

A Prefeitura de Osasco publicou o decreto na última sexta-feira (5), dois dias antes do aumento entrar em vigor. A publicação diz que "as passagens escolares serão comercializadas com desconto de 50% sobre o valor constante, para utilização restrita nos períodos letivos, podendo ser adquirido de acordo com a quota mensal de passes concedida a casa estudante".

Por meio de nota, a Prefeitura de Osasco disse que não realizou comunicado para a população que usufri do transporte público porque o "processo estava em análise técnica". Já a Prefeitura de Barueri, também por meio de nota, afirmou que "não há legislação que estipule 10 dias de antecedência para a publicação da alteração". 

São Paulo

A tarifa do transporte para ônibus, trem e metrô em São Paulo também foi alterada. O unitário passou de R$ 3,80 para R$ 4 no último domingo (7). O valor, que estava congelado desde janeiro do ano passado, foi reajustado em 5,26% de forma conjunta pela gestão do prefeito João Doria e do governador Geraldo Alckmin, ambos do PSDB.

O MPL (Movimento Passe Livre) marcou uma manifestação para esta quinta-feira (11), mas Doria descartou a possibilidade de grande adesão como ocorreu em 2013. Os protestos contrários à medida, naquele ano, duraram 22 dias - levando ao recuo do aumento da passagem, também de R$ 0,20. 

Leia mais notícias sobre R7 São Paulo