São Paulo SP: Metrô vira ponto de acolhimento às vítimas de violência doméstica

SP: Metrô vira ponto de acolhimento às vítimas de violência doméstica

Mulheres e homens podem ir a qualquer uma das 62 estações das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata e comunicar os casos de violência

Só em 2019, foram 266.310 registros de violência doméstica no país

Só em 2019, foram 266.310 registros de violência doméstica no país

Pixabay

O Metrô de São Paulo começa sua participação na campanha "Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica", nesta quarta-feira (25), Dia Internacional da Luta Contra à Violência à Mulher. O início da ação acontece na estação Santa Cecília da linha 3-vermelha a partir das 10h. 

Leia também: Violência contra mulher cresce 64% em SP em 3 anos, diz pesquisa

Com a participação da companhia, as vítimas podem ir a qualquer uma das 62 estações das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata e comunicar os casos de violência, ou até mesmo mostrar discretamente a um funcionário um "X" desenhado em vermelho na mão, como forma de denúncia discreta.

Toda a rede de atendimento está disponibilizada para acolher as vítimas e encaminhá-las para fazer denúncias.

Em uma próxima etapa, será disponibilizado um Posto Avançado de Atendimento à Mulher, na estação Santa Cecília. O objetivo é iniciar o funcionamento do posto em dezembro.

Leia também: Feminicídios crescem e registros de violência doméstica caem em 2020

Ao todo, são 1.200 agentes de segurança do Metrô que estão capacitados para esse atendimento, além de parceria com as delegacias especializadas para o encaminhamento das vítimas, facilitando também o registro das denúncias.

Os agentes de estação, operadores de trem e demais funcionários da operação também estarão devidamente instruídos para auxiliar nesses casos e acionar os seguranças para atender às vítimas.

De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, foram 266.310 registros de violência doméstica, além de 1.326 casos de feminicídio em todo país, no ano de 2019.

Com esses números, o Metrô se juntou a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para aumentar a luta contra essa violência e auxiliar no processo de acolhimento, estimulando também a denúncia.

A atuação do Metrô vai além do acolhimento e abrange também as campanhas de conscientização. Cartazes espalhados pelas estações e vídeos nos monitores dos trens, por onde mais de 3,5 milhões de pessoas já chegaram a passar em um dia, serão outras formas de auxiliar no combate à esse tipo de violência.

Últimas