'Um homem frio, calculista', diz mãe de menina morta por vizinho 

Chavantes (SP) decretou luto oficial de 3 dias. Corpo de Emanuelle foi enterrado nesta terça-feira. Polícia quer saber se criança foi vítima de abuso

Sob comoção na cidade, corpo de Emanuelle foi enterrado na cidade de Chavantes

Sob comoção na cidade, corpo de Emanuelle foi enterrado na cidade de Chavantes

Reprodução Record TV

A mãe de Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos, que foi morta a facadas pelo vizinho, afirmou que não suspeitava de Agnaldo Guilherme Assunção, que já confessou o assassinato da criança a facadas. "Ele teve lá fazendo busca junto. Ontem ele desceu do carro, me deparei com ele, com o pé todo cheio de barro e falou assim para mim: a gente foi lá na frente, achamos ossada mas era de animal. Com a cara mais cínica do mundo. Aquele homem frio, calculista, que você nunca imaginava", revelou.

O lavrador de 49 anos confessou à polícia ter matado Emanuelle, que estava desaparecida desde sexta-feira (10) em Chavantes, no interior de São Paulo, por vingança. Ele era vizinho da vítima e alegou que cometeu o crime porque a mãe da menina não permitia que ela brincasse com o enteado dele.  

O corpo da garota foi encontrado no fim da noite desta segunda-feira (13) após o suspeito apontar onde abandonou a menina, em uma região de mata em uma fazenda, cerca de 10 quilômetros do local do desaparecimento.

Para atrair a criança que brincava em um parquinho, ele chamou Emanuelle para colher mangas, que seriam entregues como presente para a mãe dela. A menina foi flagrada por câmeras circulando sozinha pela rua, carregando uma boneca, mas sendo seguida pelo suspeito.

A garota foi de bicicleta com Agnaldo até uma área de reflorestamento e no local, segundo a polícia, ele teria dado uma facada nas costas da menina e em seguida outros golpes no peito dela. Agora a polícia quer saber também se ela foi vítima de abuso. O laudo deve sair em 30 dias.

Veja também: Motorista que atropelou e matou menino de 4 anos não tem CNH

Sob comoção na cidade de Chavantes, que tem 12 mil habitantes, o corpo de Emanuelle foi enterrado nesta terça-feira (14) após 4 dias de buscas. Foi decretado luto oficial de 3 dias no município.

A família de Agnaldo afirma que agora está sofrendo ameaças na cidade e garante que desconhecia o fato de que ele havia matado a menina. O irmão do suspeito de nome Fernando disse que "protegeu o irmão acreditando na inocência dele". E completou: "ele participou das buscas, infelizmente tive essa notícia triste para minha família. A gente jamais esperava que o criminoso estaria dentro da minha casa".

Agnaldo Assunção foi preso e levado para a cadeia de São Pedro do Turvo e vai passar pela audiência de custódia nesta terça-feira (14). De acordo com a Polícia Civil de Chavantes, o suspeito já tem passagem por homicídio, cometido há cerca de 30 anos. Ele teria matado o próprio irmão após uma discussão.