São Paulo Vila com casas modulares de 18 m² receberá população de rua em SP

Vila com casas modulares de 18 m² receberá população de rua em SP

Prefeitura recebeu entrega de 350 unidades, com capacidade para 1.400 pessoas. Casas têm quarto, cozinha e banheiro

  • São Paulo | Nayara Paiva*, da Agência Record

Vila Reencontro também contará com uma unidade do Bom Prato e uma UBS

Vila Reencontro também contará com uma unidade do Bom Prato e uma UBS

Divulgação/ Prefeitura de SP

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Smads (Secretaria Municipal de Assistência Social), recebeu, nesta quarta-feira (27), 350 unidades de casas modulares para acolher pessoas em situação de rua, na região do Bom Retiro. Nesta primeira etapa, é esperado que 1.400 pessoas sejam acolhidas. 

A chamada Vila Reencontro também contará com uma unidade do Bom Prato, do Governo do Estado, que servirá 2.000 refeições por dia, e uma UBS (Unidade Básica de Saúde).

"Além das residências, nós também estamos tratando para que possamos ter toda a infraestrutura para que os moradores possam ter cursos profissionalizantes e uma horta comunitária", afirmou o prefeito Ricardo Nunes.

Cada família poderá permanecer na moradia por 12 a 18 meses

Cada família poderá permanecer na moradia por 12 a 18 meses

Divulgação/ Prefeitura de SP

As casas modulares estão sendo instaladas em uma área de 16 mil m², reservada para a primeira fase de implantação do projeto. Cada unidade a ser entregue tem área de 18 m², com quarto, cozinha e banheiro.

Serão 1.400 vagas, totalizando 350 unidades destinadas prioritariamente a famílias – com ou sem crianças – e idosos que estejam vivendo em condição de rua há menos dois anos.

As diretrizes do programa estabelecem que cada família poderá permanecer na moradia transitória por um período entre 12 e 18 meses. Com ações integradas de outras pastas, como Saúde e Emprego, o trabalho será intensificado para garantir autonomia às pessoas atendidas pelo serviço nesse período.

A Smads vai utilizar as informações do CadÚnico (base de dados do governo federal que armazena informações sobre renda familiar) e dados cadastrais próprios, como o SisRua (Sistema de Informação da Situação de Rua), a fim de estabelecer critérios para o acolhimento na Vila Reencontro.

Atualmente, a rede socioassistencial conta com mais de 18 mil vagas de acolhimento, e, no âmbito do Programa Reencontro, outras 10 mil vagas serão criadas para atender a população em situação de rua.

A medida foi inspirada no modelo conhecido como Housing First (Moradia Primeiro), criado em países da Europa e nos Estados Unidos. O método tem como princípio garantir que a população em situação de rua tenha acesso imediato à moradia.

* Estagiária sob supervisão de Letícia Dauer

Últimas