Saúde Ataque de morcego cresce mais de 60% em SP. Saiba como se proteger 

Ataque de morcego cresce mais de 60% em SP. Saiba como se proteger 

Autoridades de saúde da capital paulista classificam acidentes com morcegos como gravíssimos devido ao alto risco de contágio de raiva

Ataques de morcego crescem mais de 60% na cidade de São Paulo

Prefeitura recomenda proteção ao entrar em áreas de mata fechada

Prefeitura recomenda proteção ao entrar em áreas de mata fechada

Agilberto Lima/Estadão Conteúdo

Em uma cidade densamente urbanizada como São Paulo, os ataques de morcego neste ano já superam o total registrado em todo o ano passado.

Segundo a Covisa (Coordenadoria de Vigilância em Saúde), até o dia 20 de agosto, haviam sido contabilizados 171 casos: aumento de 61% em relação a 2018 (106 casos).

Apenas no Hospital Municipal Tide Setúbal, na região de Cidades Tiradentes, na zona leste, foram atendidos 57 pacientes que haviam sido atacados por morcegos. A unidade é referência no atendimento antirrábico e recebe pacientes de São Paulo e cidades vizinhas.

Funcionários da prefeitura capturaram recentemente quatro morcegos frugívoros (que se alimentam de frutas) e um hematófago (que se alimenta de sangue). Todos foram submetidos a exames e nenhum apresentava raiva, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

"A vigilância reforça que os animais são protegidos por lei e todas as medidas necessárias foram tomadas nos casos notificados na Cidade Tiradentes", afirma a pasta em nota, sem detalhar quais foram as medidas adotadas.

Leia também: Morcegos com raiva são identificados em Foz do Iguaçu (PR)

A orientação das autoridades sanitárias é para que a população jamais pegue um morcego com as mãos. Se o animal entrar em uma residência, deve-se usar uma toalha, pano ou caixa para contê-lo e ligar para o número 156.

"As pessoas que ingressarem em áreas de mata fechada devem usar os itens básicos de segurança: botas, calças, jaquetas, meias grossas e sapatos fechados e jamais deixar a pele exposta, principalmente à noite, quando o animal está mais ativo. Essas medidas ajudam a evitar a mordida do animal", ressalta a secretaria.

A raiva é uma doença transmitida para os humanos por qualquer animal que esteja infectado. O vírus compromete o sistema nervoso central e provoca encefalite (inflamação do cérebro).

Os sintomas incluem desde dor de cabeça e febre até delírios, salivação excessiva e convulsões.

Saiba mais: Raiva no Pará é acidente e não surto, diz infectologista

"Caso tenha tido contato direto com um morcego ou se for frequentador de áreas de mata e notar qualquer ferimento com sangue, é imprescindível procurar orientação médica pelo risco de pegar raiva. Essa doença, se não for tratada imediatamente, é fatal. Após o aparecimento dos sintomas não há mais tratamento", alerta a Secretaria Municipal de Saúde.

Conheça as doenças que podem ser transmitidas por morcego: