Saúde Câmara aprova direito da gestante à anestesia no parto normal

Câmara aprova direito da gestante à anestesia no parto normal

Nova lei também permite que a mulher escolha o tipo de parto

Câmara aprova direito da gestante à anestesia no parto normal

Grávidas podem escolher anestesia até no parto normal, sugere lei

Grávidas podem escolher anestesia até no parto normal, sugere lei

Getty Images

A Câmara de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (16), em segunda votação, projeto da vereadora Patrícia Bezerra (PSDB) que estabelece na rede municipal de saúde o direito da grávida à anestesia até mesmo no parto normal. A proposta regulamenta a realização de prerrogativas básicas da gestante, que fazem parte do atendimento do parto humanizado.

O anestésico no parto normal não é dado pelo SUS (Sistema Único de Saúde), de acordo com a assessoria de Patrícia. Segundo a proposta aprovada, as gestantes também poderão optar por processos não farmacológicos para diminuição da dor. A nova lei assegura a toda gestante o direito ao Plano Individual de Parto, pelo qual poderá decidir pelo tipo de parto, anestesia, acompanhamento e monitoração cardíaco-fetal.

— O objetivo principal do projeto é acabar com uma grande injustiça que tem ocorrido na rede pública de saúde, o desrespeito aos direitos da gestante. O maior exemplo disso é a negativa de anestesia em casos de parto normal. É necessário um tratamento digno desde a entrada no hospital até o momento do parto, o único choro da mulher nessa hora tem de ser o de emoção.

Preços dos luxos oferecidos pelas maternidades se comparam aos de hotéis cinco estrelas

A arte das fotos de nascimento: fotógrafas se especializam em partos

Pela proposta, os hospitais da capital paulista também terão um protocolo para assegurar a todas as grávidas o direito a escolher um acompanhante no parto, o que é garantido por lei federal mas descumprido em 64% dos casos no País, segundo pesquisa da Rede Cegonha.

    Access log