Saúde Casal de médicos relata rotina no hospital Emílio Ribas em SP

Casal de médicos relata rotina no hospital Emílio Ribas em SP

Eles se conheceram no hospital que é referência no tratamento de doenças infecciosas: Jaques é chefe de UTI e Fabiane atua no pronto-socorro

Agência Estado
 Emílio Ribas alcançou nesta semana a lotação da UTI

Emílio Ribas alcançou nesta semana a lotação da UTI

Divulgação

Ele está à frente da UTI de um dos principais hospitais de referência de São Paulo para os casos de covid-19 e se vê no drama de já estar com todos os 30 leitos ocupados. Ela atua no pronto-socorro, recebendo quem chega assustado, com medo de ter o coronavírus.

Jaques Sztajnbok, de 54 anos, e Fabiane El Far Sztajnbok, de 47, se conheceram no Instituto de Infectologia Emílio Ribas quando ela era residente. Jaques, já chefe da UTI, a ajudou a publicar um trabalho sobre implicações do surto de sarampo de 1997. Pode-se dizer que foi o sarampo que uniu o casal.

Mas a experiência com aquela e outras epidemias não foi suficiente para prepará-los para o que enfrentam hoje. Desde que a pandemia de covid-19 atingiu em cheio São Paulo, o casal tem se visto muito pouco.

Na última quinta-feira, 16, quando conversaram com a reportagem, já depois das 21 horas, eles só tinham se visto muito rapidamente pela manhã. Ela estava voltando para casa do plantão que tinha feito na madrugada, quando ele saía para o hospital.

Leia também: SP tem 70% da capacidade de leitos ocupada por covid-19 no ABC

No pouco tempo juntos, compartilham as "visões diferentes, mas confluentes" de uma mesma emergência, como define Fabiane, enquanto tentam estabelecer um clima de tranquilidade para os filhos - Daniel, de 10 anos, e Ana Beatriz, de 12 - e também estratégias para ajudar suas mães, já idosas. Além de estudarem sobre os últimos avanços em relação à doença.

O Emílio Ribas alcançou nesta semana a lotação da UTI e Jaques começou a lidar com o dilema de não poder receber novos pacientes enquanto novos leitos não forem criados. Mas os pedidos continuavam chegando. Naquela madrugada, Fabiane recebeu do sistema de saúde 40 solicitações de vagas.

"Está aumentando muito. Antes o normal no meu plantão eram um, dois pedidos", conta a médica, que trabalha em regime de 12 horas todas as noites de quarta e em um plantão de 24 horas um domingo por mês.

Leia também: SP tem 6,1 mil internados com coronavírus ou suspeita de infecção

De porta aberta, o hospital também atende quem chega por conta própria, em busca de socorro, como um paciente HIV positivo - o Emílio Ribas é referência para o tratamento da doença - que chegou com dificuldade de respirar.

"Ele tinha acabado de perder o pai, suspeito de covid-19, naquela noite. A mãe estava na UTI e ele também com sintomas. Foi para o Emílio Ribas porque sempre foi para lá e conseguimos mandá-lo para a UTI", conta Fabiane.

O casal troca informações sobre esses pacientes cruzados e compartilha o conhecimento que vai adquirindo. "Apesar de ser uma posição de muita sobrecarga, estar à frente da UTI é também uma posição privilegiada porque aprendemos todos os dias. Cada dia é um desafio novo e, como não há uma terapêutica estabelecida, vivemos situações semi-experimentais, em que, a partir dos resultados, vamos ajustando o atendimento", diz Jaques.

Pacientes de 22 e de 78 anos na UTI

Mas o ineditismo da situação também assusta. "Estão ao mesmo tempo na UTI uma paciente de 22 anos e outra de 78. E não necessariamente a mais velha é que tem o quadro mais grave. As duas estão mal. Estatisticamente a probabilidade de óbito é maior em idosos e pacientes com comorbidades, mas não significa que outras populações estejam imunes. Definitivamente não é uma gripezinha", diz.

"E tem o aspecto que torna a situação ainda mais grave que é essa doença ter um potencial enorme de infectar o profissional de saúde. Trabalhamos no Emílio Ribas como centro de referência na epidemia de febre amarela, que tinha casos gravíssimos, mas ninguém ali tinha risco de se infectar. Agora não temos nem a certeza ainda de os infectados por covid-19 estarem realmente imunes", afirma Jaques, que há 28 anos está no hospital.

Leia também: 'Heróis' da pandemia recebem ameaças de vizinhos na Espanha

Ao chegar em casa, porém, eles tentam deixar as preocupações de lado e trazer segurança para as crianças. "Eles entendem que os pais são médicos, o que é a nossa vida, e isso me dá um alívio, porque sei que eles estão tranquilos. E agora vemos que estão com orgulho da gente. Os amiguinhos da escola perguntam se estamos bem", relata Fabiane.

"A gente explica que é possível que mamãe ou papai adquiram e vamos pensar como vamos viver." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas