Saúde Cientistas do MIT criam comprimido de insulina que substitui injeção

Cientistas do MIT criam comprimido de insulina que substitui injeção

Comprimido seria uma alternativa às aplicações diárias de injeções de insulina que pacientes com diabetes tipo 1 precisam aplicar

Cientistas do MIT criam comprimido de insulina que substitui injeção

Comprimido demora cerca de uma hora para injetar toda a insulina no sangue

Comprimido demora cerca de uma hora para injetar toda a insulina no sangue

Felice Frankel/MIT

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusets (MIT) criaram um comprimido de insulina capaz de substituir as aplicações diárias de injeção entre diabéticos do tipo 1. O estudo foi publicado nesta sexta-feira, 8, no site da revista científica americana Science.

A cápsula, entitualada aplicador de escala milimétrica auto-orientável (Soma, na sigla em inglês), possui o formato do casco da tartaruga leopardo, encontrada na África, para que, assim como o animal, seja capaz de se orientar nas paredes do estômago. Dentro da pílula existe uma agulha feita de insulina, que é presa por uma mola e é contida por um revestimento de açúcar.

Leia também: Número de diabéticos no Brasil deve dobrar nos próximos 30 anos

Quando o comprimido é ingerido, o revestimento de açúcar se dissolve e a agulha se acopla na parede do estômago, liberando a substância. Depois, o restante do comprimido, feito de material biodegradável e componetes de aço inoxidável, passa pelo restante do sistema digestivo e é eliminada pelas fezes.  

No estudo, os pesquisadores fizeram os testes em porcos, oferecendo 300 microgramas de insulina e, depois, cinco miligramas, dose equivalente a que um paciente de diabetes tipo 1 precisaria. Segundo os cientistas, demorou cerca de uma hora para que toda a insulina fosse injetada na corrente sanguínea.

Saiba mais: Fumo e diabetes aumentam risco de infarto mais em mulheres

Atualmente, o Brasil é o quarto país com maior número de diabéticos, segundo o IDF (International Diabetes Federation), ficando atrás da China, com 114 milhões de diabéticos, em seguida figura a Índia, com quase 73 milhões, e os Estados Unidos, com 30 milhões. De acordo com o Ministério da Saúde, 12,5 milhões de brasileiros são portadores da condição.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Marcos Sergio Silva

Descobri que sou diabético, e agora? Veja o que o serviço público oferece:

    Access log