Coração e próstata: especialista alerta para as principais doenças masculinas

Aumento da próstata e doença cardiovascular são os principais vilões do homem

Homens são as principais vítimas das doenças cardiovasculares

Homens são as principais vítimas das doenças cardiovasculares

Getty Images

Nesta segunda-feira (15), comemora-se o Dia Nacional do Homem e, segundo o Ministério da Saúde, o Brasil está entre os dez países com o maior índice de mortes por doenças cardiovasculares, sendo os homens a maioria das vítimas.

O cardiologista Allyson Nakamoto, do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, atribui baixo índice de testosterona e apneia do sono como alguns dos fatores que contribuem para o aumento dos casos de doenças cardiovasculares entre o público masculino.

— Homens com níveis baixos do hormônio apresentam maior incidência de infarto e angina.

Comemore o Dia do Homem com dicas de saúde masculina

A apneia do sono, doença que acomete principalmente homens, altera o padrão do sono, acarretando aumento da pressão arterial, alterações metabólicas e arritmias cardíacas.

— A prática de atividade física regular aliada à alimentação saudável faz parte da fórmula para driblar esses problemas. Porém, eles são intrínsecos com a chegada da idade.

Falta de limpeza pode causar câncer no pênis

Os maus hábitos são os principais desencadeadores dos problemas do coração. Além disso, homens com histórico de hipertensão, diabetes, dislipidemia e obesidade devem redobrar a atenção com a saúde.

Homem careca pode ter mais doenças do coração, segundo estudo

Segundo o médico, as principais consequências da doença cardiovascular podem variar de um AVC (Acidente Vascular Cerebral) até infarto do miocárdio, levando, em alguns casos, à morte.

De olho na próstata

Não é apenas a barriga que costuma aumentar com o decorrer do tempo. A partir dos 50 anos, o crescimento da próstata torna-se bastante comum entre os homens. Esta pequena glândula, responsável pela produção do espermatozoide, aumenta de tamanho com o passar dos anos e obstrui parcial ou totalmente a uretra.

Chamada de hiperplasia prostática, a doença começa silenciosa, mas com o tempo pode causar dor e a sensação de que a bexiga nunca se esvazia, o que prejudica a rotina e qualidade de vida do homem, que precisa ir ao banheiro várias vezes ao dia, explica o urologista Sandro Faria, do Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital Vera Cruz.

— Ele não consegue participar de uma reunião, dormir a noite toda, ir ao cinema ou viajar. Casos graves levam o homem à retenção ou incontinência urinária ou até insuficiência renal.

De acordo com a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), 70% dos homens com mais de 50 anos vão sofrer com a próstata aumentada. O especialista acrescenta que a chance de o homem apresentar hiperplasia benigna dobra a cada década e algumas condições favorecem o crescimento da próstata, entre elas fatores genéticos, diabetes, obesidade e tabagismo.

O diagnóstico é feito pela história clínica e toque retal, mas segundo Faria a hiperplasia benigna ainda é uma doença negligenciada.

— Há muitos casos de subdiagnóstico. Não temos dados estatísticos no Brasil, mas estima-se que, de seis milhões de pessoas que precisariam receber atenção ao problema, apenas 300 mil estão em tratamento.

O médico explica que casos mais leves são tratados com medicamento, mas 30% dos pacientes precisam de cirurgia para reduzir o tamanho da próstata. No entanto, Faria garante que o crescimento da próstata não evolui para o câncer.

Para prevenir a doença, o urologista orienta ter uma vida saudável, com alimentação equilibrada e sem cigarro. Além disso, ele recomenda fazer checkup após os 40 anos.