Saúde Diabetes descontrolada pode causar impotência, como no caso de Datena

Diabetes descontrolada pode causar impotência, como no caso de Datena

Descompensação glicêmica afeta o funcionamento de órgãos, fertilidade e ereção; controle de diabetes pode reverter as complicações sexuais

Diabetes descontrolada pode causar impotência, como no caso de Datena

O apresentador José Luiz Datena sofre de diabetes tipo 2

O apresentador José Luiz Datena sofre de diabetes tipo 2

Reprodução/Instagram

A falta de controle de diabetes pode levar homens e mulheres a terem problemas sexuais, como a impotência em homens e a infertilidade em ambos os sexos, de acordo com o endocrinologista Tarissa Petry, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Nesta quarta-feira (5), o jornalista e apresentador José Luiz Datena, 62, revelou em um programa da Rede Bandeirantes que, devido a diabetes tipo 2, possui dificuldade em ter ereção. No caso de Datena, a doença foi agravada pela retirada de parte do pâncreas em 2006, que faz com que o órgão produza ainda menos insulina.

Leia também: Anvisa aprova primeira insulina inalável para diabetes do país

De acordo com a endocrinologista, as taxas de glicemia, quando altas, são tóxicas para o organismo, além de provocarem doenças nos vasos sanguíneos e afetar a sensibilidade dos nervos, o que pode ocasionar a impotência sexual.

"Quando a pessoa tem picos de glicemia alta de maneira constante, todos os órgãos passam a funcionar mal, o sangue se torna mais viscoso e a glicemia gruda nas proteínas, o que causa lesões e inflamações nos órgãos, e isso já leva a uma diminuição de ereção", explica.

Saiba mais: Cientistas do MIT criam comprimido de insulina que substitui injeção

A descompensação da doença pode, também, levar pacientes de ambos os sexos a se tornarem inférteis. Tarissa afirma que o descontrole glicêmico altera o eixo hormonal, ou seja, muda a produção dos hormônios sexuais, sejam eles femininos ou masculinos. Essa alteração pode ocasionar, também, acúmulo de gordura na região abdominal.

Apesar do diabetes tipo 1 ser um pouco mais difícil de tratar, com taxas glicêmicas mais instáveis, e de diabéticos tipo 2 muitas vezes não realizarem o tratamento de maneira correta, a médica afirma que os tipos da doença não são determinantes para ocasionar os problemas sexuais, mas sim o tratamento.

Veja também: Brasil é o quarto país com o maior número de diabéticos do mundo

Para evitar e tratar tais complicações, o método é considerado simples. "O paciente precisa controlar e compensar a glicemia, seja com o uso de insulina ou por remédios por via oral, realização de atividade física, dieta apropriada, consultas regulares ao médico e realização de exames a cada três e seis meses, dependendo da orientação médica", finaliza.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

Alimentos com adoçante têm mais gordura? Veja mitos e verdades: