Em 24 horas, dobra número de casos de coronavírus na Coréia do Sul

Autoridades do país contabilizam 204 infectados e uma morte; mais de 40 pessoas contraíram o vírus em uma cerimônia religiosa

Igreja é apontada como possível ponto de transmissão

Igreja é apontada como possível ponto de transmissão

EFE/EPA/YONHAP

O número de casos de pessoas infectadas pelo coronavírus dobrou em apenas 24 horas na Coréia do Sul. Foram registrados 204 casos confirmados pelas autoridades do país.

De acordo com informações da rede de TV americana CNN, os casos quadruplicaram em três dias. 

A primeira morte por covid-19 na Coreia do Sul ocorreu na quarta-feira (21), e a presença do coronavírus no corpo da vítima foi confirmada ontem.

De acordo com o KCDC (Centro para o Controle e Prevenção de Doenças da Coreia), morreu um homem no condado de Cheongdo, que faz fronteira com a cidade de Daegu (230 quilômetros a sudeste de Seul), onde 51 dos 53 casos anunciados hoje foram relatados dentro e nos arredores da cidade.

Quanto aos casos em Daegu, a maioria parece estar ligada a uma mulher de 61 anos — que as autoridades de saúde acreditam ser uma "supercontagiadora" — residente nesta cidade de 2,5 milhões de pessoas, a terceira maior do país.

A mulher em questão frequenta a igreja Shincheonji (Novo Céu e Terra), que celebrou uma missa em Daegu no domingo passado, na qual participaram cerca de mil paroquianos.

Acredita-se que esse foi um dos principais focos de infecção, uma vez que pelo menos 23 dos recém-infectados estiveram presentes na cerimônia.

A mulher também visitou recentemente Cheongdo, onde morreu a primeira vítima do coronavírus SARS-CoV-2 na Coreia do Sul.

Em entrevista coletiva, o prefeito de Daegu, Kwon Young-jin, pediu para que os moradores da cidade permaneçam em casa o maior tempo possível.

O diretor do KCDC, Jung Eun-kyeong, em declaração divulgada pela agência de notícias "Yonhap", recomendou que as pessoas que visitaram a igreja de Daegu e o hospital Daenam em Cheongdo, onde ocorreu a primeira morte sul-coreana, fiquem em casa e liguem para o número de emergência do hospital caso apresentem algum sintoma.