Saúde Nova variante do coronavírus é descoberta no interior de São Paulo

Nova variante do coronavírus é descoberta no interior de São Paulo

Pesquisadores da Unesp identificaram a P.4 em Porto Ferreira. Nova cepa Já foi encontrada em amostras em outros 20 municípios

Agência Estado
O pesquisador da Unesp João Pessoa Araújo Júnior: 'Variante está com uma frequência muito alta numa região onde temos a P.1 presente'

O pesquisador da Unesp João Pessoa Araújo Júnior: 'Variante está com uma frequência muito alta numa região onde temos a P.1 presente'

Reprodução

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) anunciaram nesta terça-feira (25) a descoberta de uma nova variante do coronavírus, em amostras coletadas no município de Porto Ferreira, no interior paulista. Batizada como P.4, por derivar da mesma linhagem que deu origem à P.1, identificada inicialmente em Manaus, a nova cepa já foi encontrada em amostras de outros 20 municípios do estado de São Paulo.

"A primeira coisa que percebemos foi a mutação L452R, na proteína spike (espícula) do vírus. Então, analisamos outras sequências já decodificadas do banco de dados e verificamos que esta poderia ser uma nova variante", explica Cintia Bittar, pesquisadora virologista da Unesp e membro da Rede Corona Ômica BR.

Ela conta que, após identificada a mutação no último dia 4, a amostra foi submetida à análise em uma plataforma internacional, que reúne sequenciamentos realizados no mundo todo com o objetivo de identificar e monitorar o surgimento de novas variantes. Após fazerem novas investigações, o grupo da Unesp identificou que essa nova cepa vinha da B.1.1.28, a mesma linhagem que deu origem à P.1, identificada inicialmente em Manaus.

Entre o último dia 4 e esta terça-feira,25, a variante foi batizada como P.4 e encontrada em amostras de outros 20 municípios do estado de São Paulo. De acordo com Cintia, pelo menos a cidade de Porto Ferreira já estaria com essa cepa circulando livremente.

Outras cidades

"Comparamos a nossa amostra com outras sequências do banco de dados e já existia essa variante em outras cidades de São Paulo" explica a pesquisadora. Ela também afirma que a P.4 apresenta alterações similares à B.1.617, identificada inicialmente na Índia. "É a mesma mutação em uma região importante do vírus, também encontrada na variante indiana, apesar de elas não estarem relacionadas, e que causa uma redução no reconhecimento do vírus pelos anticorpos."

Leia mais: Cidade de SP pretende criar barreiras contra variante indiana

Cíntia diz que, até o momento, as vacinas disponíveis já apresentaram alguma eficácia contra as variantes descobertas, mas alerta: "Estamos vendo ainda que a circulação da variante está aumentando em Porto Ferreira. Essa é uma mutação considerada importante".

De acordo com a pesquisadora, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCIT) e a Prefeitura de Porto Ferreira foram informados sobre a descoberta no último dia 4. "Nosso objetivo é identificar as mutações no começo e tentar evitar que essa variante esteja no mundo inteiro, como aconteceu com a P.1. Se esperarmos para decidir se ela é ruim ou não, pode ser tarde demais."

Nível de contágio

O pesquisador da Unesp de Botucatu e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, João Pessoa Araújo Júnior, explicou que ainda não é possível saber se a nova variante é mais agressiva ou mais contagiosa que as demais. "O que sabemos é que ela compartilha a mesma mutação que tem a variante indiana e está com uma frequência muito alta numa região onde temos a P.1 presente", explica. "Essa alta frequência, aumentando nos ultimos tempos, nos preocupa muito."

Últimas