Saúde OMS decide manter Covid-19 classificada como pandemia

OMS decide manter Covid-19 classificada como pandemia

Avaliação de comitê independente é que vírus mantém circulação intensa e evolução imprevisível

Agência EFE
Tedros Adhanom enfatizou a necessidade de aumentar a cobertura vacinal no mundo

Tedros Adhanom enfatizou a necessidade de aumentar a cobertura vacinal no mundo

Salvatore Di Nolfi/EFE/EPA - 20.12.2021

A OMS (Organização Mundial da Saúde) anunciou nesta quarta-feira (13) a decisão de manter a Covid-19 como uma emergência de saúde internacional, ou pandemia, porque "não é hora de baixar a guarda", mas sim de os países continuarem a preparar-se a este tipo de crise.

O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o Comitê de Emergência da OMS (órgão formado por cientistas independentes) recomendou não alterar o nível de alerta em relação à Covid tendo em vista que o vírus continua sendo transmitido intensamente e sua evolução é imprevisível.

Neste contexto, acrescentou que é necessário prosseguir com os esforços para que as vacinas, tratamentos e outras ferramentas desenvolvidas para enfrentar a pandemia sejam distribuídos de forma equitativa entre e dentro dos países, e que se avance na vacinação dos maiores de 60. anos.

Casos em queda

O número de novos casos confirmados de Covid-19 e mortes causadas pela doença continuou a diminuir no mundo na última semana, acrescentou a OMS.

Esta é a terceira semana consecutiva em que ambos os indicadores decrescem a uma taxa, nos últimos sete dias, de 24% e 18%, respectivamente.

O total global da semana passada foi de 7 milhões de novos casos de Covid-19 e mais 22 mil mortes, com declínios observados em todas as regiões.

Com isso, o total de pessoas infectadas desde o início da pandemia e que passaram por teste diagnóstico sobe para 496 milhões, enquanto as mortes chegam a 6 milhões globalmente.

A OMS insistiu que essas tendências positivas devem ser interpretadas com cautela, uma vez que muitos países estão mudando sua estratégia de testagem e o número de testes diminuiu consideravelmente, o que leva ao registro de menos casos detectados do que a quantidade real de diagnósticos.

Na semana passada, os Estados Unidos tiveram o maior número de mortes (3.682), seguidos pela Coreia (2.186), Rússia (2.008), Alemanha (1.686) e Brasil (1.120).

A Europa e a região do Pacífico Ocidental, que inclui a China, registraram o maior declínio no número de casos, ambos de 26% menos ocorrências.

A África foi o continente com o declínio mais acentuado em novas mortes (-40%).

No mesmo relatório epidemiológico, a OMS informou que continua monitorando várias subvariantes da variante Ômicron, que representa 99,2% de todo o sequenciamento genético realizado no mundo.

Os cientistas estão, assim, acompanhando a evolução das subvariantes BA.1, BA.2, BA.3, bem como as mais recentes BA.4 e BA.5, além da forma recombinada de BA.1 e BA.2 (chamada de XE), para determinar suas características e compreender seu possível impacto na saúde pública.

A OMS também confirmou que, embora a Ômicron e suas subvariantes possam contornar a imunidade oferecida pelas vacinas, os imunizantes continuam sendo eficazes na prevenção de doenças graves e hospitalização.

Últimas