Saúde Robôs devem desafogar enfermeiras de 'demandas não assistenciais' 

Robôs devem desafogar enfermeiras de 'demandas não assistenciais' 

Evento sobre tendências hospitalares que será realizado na próxima terça-feira (21), em São Paulo, prevê uso de robôs humanoides em hospitais

Robôs humanoides devem ajudar pacientes em hospitais

O robô humanoide Pepper é um dos escolhidos para o trabalho em hospitais

O robô humanoide Pepper é um dos escolhidos para o trabalho em hospitais

Divulgação

Os robôs humanoides devem chegar aos hospitais em um futuro próximo. Esta é uma previsão que será apresentada na Hospitalar 2019, evento de saúde e negócios que acontece de 21 e 24 de maio em São Paulo.

O primeiro trabalho das máquinas será desafogar as enfermeiras de "demandas não assistenciais". "Muitas vezes, as enfermeiras precisam parar de dar uma medicamento porque a pessoa não consegue mudar o canal da televisão ou qualquer outra atividade menor, mas de grande importância para o paciente, que pode ser substituída por essa tecnologia", afirma explica Marcelo Boeger, coordenador científico de Facilities da Hospitalar 2019.

Leia também: Número de médicas cresce, mas elas ainda ganham menos que médicos

Segundo ele, 40% das atividades da enfermagem são "demandas não assistenciais", como ajudar o paciente a regular o ar-condicionado, fornecer a senha do Wi-Fi, informar se o acompanhante terá direito à refeição e os horários do estacionamento.

"Eles serão uma espécie de concierge, que presta informações. Os robôs já têm esse papel em hoteis. Os hospitais são estruturas muito complexas e os robôs podem mapear o local e acompanhar as pessoas pelo prédio, além de fornecer outros dados", explica.

Diferentemente dos robôs convencionais, os humanoides possuem inteligência artificial que funciona por meio de software similar aos assistentes virtuais Siri (Apple) e Cortana (Microsoft). O software permite que eles compreendam perguntas e escolham respostas adequadas para cada ocasião, mantendo diálogos naturais.

Saiba mais: Brasil tem mais médicos, mas concentração está no Sudeste

Os humanoides escolhidos para trabalhar em hospitais são o Pepper e o Cruzr, de acordo com Boeger. O Pepper foi o primeiro robô humanizado a ser produzido em série. Ele se comunica, sendo capaz de interpretar as emoções das pessoas. Por esse razão, foi chamado de “robô com coração”. É fabricado pela empresa japonesa SoftBank.

Mas esse lado "emocional" do robo humanoide ainda não será aproveitado em seu primeiro trabalho no hospital. "Como será a primeira entrada dos robôs humanoides na área da saúde, queremos testar a aceitação das pessoas. A maior parte das perguntas que as pessoas fazem aos robôs não são técnicas, são coisas do tipo 'qual o seu nome?', o 'o que você pode fazer?'. É algo muito novo", afirma.

Já o ponto alto do robô humanoide Cruzr, que dá apertos de mão e abraços, é sua grande capacidade de locomoção. Ele mapeia o ambiente para evitar obstáculos. É fabricado pela empresa chinesa UBTech.

Leia também: Cuidadoras de pacientes com Alzheimer adoecem mais facilmente

Boeger ressalta que o uso das máquinas não tem a pretensão de substituir a tarefa dos enfermeiros. "Ninguém vai chamar por uma enfermeira e aparecer um robô. Não se pretende substituir nenhuma função técnica. A premissa é: ele tem que complementar as atividades preexistentes", diz.

Segundo ele, o único país que já aderiu à tendência é o Japão. Não há previsão para o uso dos humanoides em hospitais brasileiros.

Cuidados adequados ajudam vida do cuidador e da pessoa com Alzheimer: