Tecnologia e Ciência Nasa adia mais uma vez lançamento de novo foguete à Lua

Nasa adia mais uma vez lançamento de novo foguete à Lua

Missão Artemis 1 terá novas janelas nos dias de 27 de setembro e 2 de outubro, segundo informações da agência espacial americana

AFP

Resumindo a Notícia

  • A Nasa anunciou as novas datas para lançamento da missão Artemis 1, em 27 de setembro e 2 de outubro
  • A missão teve o lançamento abortado em duas oportunidades, por problemas técnicos
  • O objetivo da Nasa com a Artemis é enviar novamente humanos à Lua
  • Segundo o cronograma, a agência espacial americana deve mandar uma missão tripulada em 2025
Artemis 1 já teve lançamento abortado duas vezes por problemas técnicos

Artemis 1 já teve lançamento abortado duas vezes por problemas técnicos

Chandan Khanna/AFP - 2.9.2022

A Nasa anunciou na última segunda-feira (12) que o lançamento do novo foguete da agência espacial à Lua, já abortado duas vezes por problemas técnicos, não acontecerá antes de 27 de setembro.

O tão esperado voo de teste da missão Artemis 1, sem tripulação a bordo, visa a testar o foguete Sistema de Lançamento Espacial (SLS, na sigla em inglês), bem como a cápsula Orion, que transportará astronautas no futuro.

A data dependerá de as equipes de engenharia conseguirem concluir com sucesso um teste de tanque de combustível do SLS e do recebimento de uma isenção especial para evitar novos testes de baterias em um sistema de destruição de foguetes de emergência.

Sem essa isenção, o foguete terá que retornar ao prédio de montagem, o que atrasaria o cronograma em várias semanas.

A janela de lançamento de 27 de setembro será aberta às 11h37, no horário local, por 70 minutos, com o fim da missão programado para 5 de novembro. Uma possível segunda janela está planejada para 2 de outubro, disse a Nasa.

O lançamento do novo foguete havia sido cancelado em 29 de agosto, e novamente em 3 de setembro, devido a problemas técnicos – um contratempo que atrasa o início efetivo do programa americano Artemis de retorno à Lua.

O SLS, um megafoguete laranja e branco que nunca voou antes, está em desenvolvimento há mais de uma década. Para esta primeira missão, a Orion vai se aventurar a até 64 mil quilômetros atrás da Lua, mais longe do que qualquer outra espaçonave tripulada.

Um dos principais objetivos da missão é testar o escudo térmico da cápsula, o maior já construído. No retorno à atmosfera terrestre, terá que suportar uma velocidade de 40 mil quilômetros por hora e uma temperatura equivalente à metade da registrada na superfície do Sol.

A próxima missão, Artemis 2, em 2024, levará astronautas mas não pousará na Lua. Essa honra será reservada para a tripulação da Artemis 3, que não será lançada antes de 2025. Depois disso, a Nasa espera realizar cerca de uma missão por ano.

O plano da agência americana é construir uma estação espacial em órbita lunar, chamada Gateway, e uma base na superfície da Lua.

A Nasa pretende testar ali as tecnologias necessárias para enviar os primeiros humanos a Marte: novos trajes, um veículo para se mover e um possível uso da água lunar, entre outros objetivos.

De acordo com o diretor da agência espacial, Bill Nelson, pode haver uma tentativa de viagem de ida e volta de vários anos a Marte, a bordo da Orion, no fim da década de 2030.

Últimas