Tecnologia e Ciência Novembro bate recorde de calor para o mês, e 2023 será o ano mais quente da história

Novembro bate recorde de calor para o mês, e 2023 será o ano mais quente da história

Pesquisa é divulgada no momento em que governantes negociam reduzir emissão de gás carbônico na COP28, em Dubai

Vista de praia em Sergipe; 2023 será ano mais quente já registrado na história, dizem cientistas

Vista de praia em Sergipe; 2023 será ano mais quente já registrado na história, dizem cientistas

ESTADÃO CONTEÚDO/ TIAGO QUEIROZ

Um estudo feito por cientistas da UE (União Europeia) e publicado nesta quarta-feira (6) revela que o ano de 2023 será o mais quente da história. Já novembro teve a maior temperatura registrada mundialmente — 0,32°C acima do que o mês marcou em 2020.

Novembro teve ainda 1,75°C a mais do que uma estimativa da média do mês entre 1850 e 1900, período de referência pré-industrial. 

De acordo com Samantha Burgess, diretora-adjunta do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus (C3S), este ano já teve seis meses com recordes de calor.

"As extraordinárias temperaturas globais de novembro significam que 2023 é o ano mais quente já registrado na história”, disse.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A pesquisa é divulgada no momento em que a COP28, Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, reúne em Dubai governantes que negociam a possibilidade de, pela primeira vez, eliminar gradualmente o uso do carvão, do petróleo e do gás, que emitem CO2 — principal fonte de emissões de aquecimento. 

“Enquanto as concentrações de gases de efeito estufa continuarem a aumentar, não podemos esperar resultados diferentes daqueles observados neste ano. A temperatura continuará a subir, assim como os impactos das ondas de calor e das secas. Alcançar emissões líquidas zero o mais rapidamente possível é uma forma eficaz de gerir os nossos riscos climáticos”, disse Carlo Buontempo, diretor do C3S.

Veja mais: Procura por sorveterias aumenta durante calorão em São Paulo

Últimas