Tecnologia e Ciência Plataforma de transmissão de jogos Twitch confirma que foi hackeada

Plataforma de transmissão de jogos Twitch confirma que foi hackeada

Cerca de 125 GB de dados foram vazados em fórum por um hacker, que chamou a comunidade do site de 'fossa nojenta'

AFP
Plataforma é especializada na transmissão de conteúdo ao vivo

Plataforma é especializada na transmissão de conteúdo ao vivo

Divulgação

A Twitch, popular plataforma de streaming da Amazon focada em videogames, informou nesta quarta-feira (6) que foi hackeada, depois que dados confidenciais da empresa foram expostos na internet.

O serviço, em que os usuários costumam transmitir jogos de videogame ao vivo, confirmou o incidente no Twitter, detalhando que suas "equipes trabalham urgentemente para determinar o alcance" dos danos.

A declaração veio após relatos de uma publicação maciça de arquivos da Twitch no fórum de mensagens anônimas 4Chan, no qual estavam disponíveis 125 gigabytes de dados, que incluíam o código-fonte da plataforma, registros de pagamento e relatórios sobre um serviço de distribuição de jogos digitais que está sendo desenvolvido pela Amazon Game Studios.

O vazamento aparentemente não incluiu os dados pessoais dos usuários da Twitch, mas a extensão do hackeamento ainda está sendo investigada.

As pesquisas no Google sobre "como apagar a Twitch" aumentaram oito vezes conforme a notícia do vazamento se espalhava, de acordo com a firma de análise de marketing N. Rich.

"Com uma violação de dados preocupante em uma plataforma tão difundida e global como a Twitch, os usuários naturalmente querem proteger a si próprios e seus dados o mais rapidamente possível", disse um porta-voz.

A pessoa que publicou os dados deixou uma mensagem afirmando que fez isso para incentivar a competição no streaming de vídeo, e porque a comunidade da Twitch "é uma fossa nojenta e tóxica", de acordo com a imprensa.

Os usuários da Twitch fizeram greve no mês passado para expressar sua indignação com o assédio racista, sexista e homofóbico que muitos sofrem na plataforma. O fenômeno dos "ataques de ódio" tornou esse ambiente virtual cada vez mais desagradável para os streamers que não são brancos ou heterossexuais.

A hashtag #TwitchDoBetter ("Twitch, melhore") atraiu muitas denúncias no último mês, principalmente de mulheres, não brancos e LGBTs, os quais alegam que a plataforma não conseguiu deter os trolls da internet e, ao mesmo tempo, mantém uma fatia de 50% de ganhos dos streamers.

A Twitch afirma que trabalha para melhorar suas ferramentas e proteger as contas contra abusos. Além disso, processou dois usuários em um tribunal federal dos Estados Unidos, acusando-os de orquestrar "ataques de ódio".

Últimas