Porcos surpreendem ao jogar videogame em estudo

Pesquisadores utilizaram guloseimas para atrair os animais, que manipularam os joysticks com seus focinhos

Pesquisa mostrou que porcos podem aprender a jogar videogames simples

Pesquisa mostrou que porcos podem aprender a jogar videogames simples

Divulgação/Universidade Purdue

Pesquisadores da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, produziram um estudo que verificou a capacidade dos porcos de jogarem videogames simples, mostrando que estes animais são mais inteligentes do que se pensava.

Leia mais: Instagram encerra conta de Robert Kennedy Jr. por posts antivacina

Para viabilizar o estudo, os cientistas ensinaram quatro porcos a manipular um joystick com o focinho. Dois deles eram porcos Yorkshire, chamados Hamlett e Omelette, e dois Panepintos, Ebony e Ivory.

Na primeira parte do experimento foram utilizadas algumas guloseimas para aproximar os animais do controle e para posicioná-los na frente do monitor. A partir disso, eles foram ensinados a jogar um game onde o objetivo era mover um cursor na direção de quatro alvos diferentes presentes na tela.

Analisando os resultados, os pesquisadores constataram que os porcos foram capazes de realizar a tarefa com níveis de expertise bem acima do esperado. Os cientistas notaram também que, mesmo quando pararam de oferecer as guloseimas, os animais continuaram a fazer os movimentos corretos propostos pelo jogo.

“O fato de os porcos terem alcançado o nível de sucesso na tarefa, que estava fora de seu quadro de referência normal, é um resultado notável da flexibilidade comportamental e cognitiva destes animais”, afirmaram os pesquisadores no artigo publicado.

Leia mais: Máscaras duplas ou apertadas reforçam proteção, diz estudo

Os resultados, entretanto, mostraram que os porcos não se saíram tão bem no experimento como alguns primatas que fizeram o teste. Mas os especialistas entendem que isso pode ter ligação com o tipo de controle utilizado no estudo, uma vez que, com o joystick, os porcos precisaram mover o cursor com o focinho, e não com as mãos como os outros animais.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Fabio Fleury

Últimas