Tecnologia e Ciência Robô humanoide Ameca pode conversar e tem expressões faciais

Robô humanoide Ameca pode conversar e tem expressões faciais

Máquina tem a habilidade de interagir com pessoas e é um dos destaques da CES 2022, a maior feira de tecnologia do mundo

Ameca é um robô humanoide que pode falar e até ter algumas expressões faciais

Ameca é um robô humanoide que pode falar e até ter algumas expressões faciais

Steve Marcus/Reuters - 06.01.2022

O robô humanoide Ameca é um dos destaques da CES 2022, considerado o maior evento de tecnologia do mundo, que acontece em Las Vegas, nos Estados Unidos. Nesta semana, vídeos da máquina falando e interagindo com o público viralizaram na internet.

"Projetamos o Ameca para ser o mais humano possível em movimento", diz Morgan Roe, da empresa britânica Engineered Arts.

O robô Ameca foi pensado para ser uma plataforma de inteligência artificial e de machine learning que armazena dados na nuvem, e para isso é necessário que tenha uma interação eficiente com as pessoas. Os responsáveis pelo projeto dizem que a semelhança com os humanos pode ajudar na aceitação do público em geral em ter um equipamento como esse por perto.

Robô Ameca foi pensado para ser uma plataforma de inteligência artificial e machine learning

Robô Ameca foi pensado para ser uma plataforma de inteligência artificial e machine learning

Steve Marcus/Reuters - 06/01/2022

Imagens do público da CES interagindo com a máquina mostram o interesse em conversar com o robô e testar quais são as habilidades que podem ser exploradas. O visual mais próximo da imagem de um humano, pelo jeito, facilita a convivência e favorece o uso da tecnologia. 

"Todos nós vimos em filmes robôs humanóides se misturando entre humanos. Isso vai acontecer. Tenho quase certeza que isso vai acontecer. Mas estamos falando de pelo menos uma década, provavelmente duas, antes de um robô humanoide poder andar com segurança e viver entre humanos", completa Roe.

A criação de última geração ainda não tem a capacidade de andar, apesar de ter pernas. Essa seria uma habilidade mais complexa do que reproduzir uma voz ou usar uma câmera para identificar objetos, mas não está fora dos planos da empresa britânica, que deve trabalhar nisso em breve.

Por enquanto, o que pode ser feito é usar o robô apenas em partes, ou seja, de maneira modular. Se for necessário, é possível interagir apenas com a cabeça da máquina ou então com um dos braços, por exemplo. 

Últimas