Tecnologia e Ciência WhatsApp lança busca de empresas dentro do aplicativo

WhatsApp lança busca de empresas dentro do aplicativo

Novo recurso é mais uma tentativa do Facebook de impulsionar o e-commerce dentro do app de mensagens

WhatsApp tenta impulsionar o e-commerce dentro do aplicativo

WhatsApp tenta impulsionar o e-commerce dentro do aplicativo

EFE/EPA/IAN LANGSDON

O WhatsApp, serviço de mensagens do Facebook, lançou nesta quarta-feira (15) um novo recurso que torna possível encontrar empresas dentro do aplicativo.

O teste em São Paulo, que permite aos usuários do serviço de mensagem encontrar lojas e serviços em um diretório dentro do aplicativo, é o mais recente recurso na tentativa do Facebook de reforçar o seu e-commerce.

"Isso pode ser a principal forma pela qual as pessoas começam um processo comercial no WhatsApp", afirmou Matt Idema, vice-presidente de mensagens corporativas, em entrevista.

Leia mais: Irlanda multa WhatsApp em R$ 1,38 bilhão por uso de dados pessoais

Ao contrário de Facebook e Instagram, o WhatsApp não exibe anúncios. Idema havia dito antes que as empresas estavam promovendo seus números em embalagens ou sites ou usando anúncios do Facebook para levar usuários aos chats do aplicativo.

O WhatsApp tem cada vez mais tentado atrair usuários corporativos com um aplicativo especializado para pequenas empresas e um API, um tipo de software de interface, para negócios maiores se conectarem ao seu sistema para gerar receita.

Como varejistas online cresceram durante a pandemia, o Facebook tem lançado recursos para compras dentro de seus aplicativos. Em junho, Mark Zuckerberg, dono da rede social, anunciou que o recurso Shops do Facebook seria expandido ao WhatsApp em vários países. Nos últimos anos, o aplicativo de mensagens também lançou ferramentas de compras, como catálogos de produtos e carrinhos de compra.

O WhatsApp afirmou que o novo teste incluirá milhares de empresas em setores como alimentação, varejo e serviços locais em certos bairros de São Paulo. Idema disse que Índia e Indonésia são bons próximos candidatos para expandir o recurso.

Leia mais: WhatsApp permitirá que usuários reajam às mensagens com emojis

A empresa, criticada por usuários em meio a uma confusão sobre atualizações de privacidade e multada pelo órgão regulador de dados da Irlanda por violações de privacidade, disse que não saberá ou armazenará a localização das pesquisas ou resultados das pessoas com o novo recurso. Idema não descartou a possibilidade de o WhatsApp introduzir anúncios dentro do aplicativo no futuro.

"Definitivamente há uma rota para anúncios, que é o modelo de negócios central do Facebook, que no longo prazo acredito que fará parte do modelo de negócios do WhatsApp", disse. O WhatsApp afirma que cerca de um milhão de anunciantes atualmente usam anúncios "clique para ir ao WhatsApp" do Facebook e do Instagram para enviar usuários ao serviço de mensagens.

Idema afirmou que o Whatsapp, comprado pelo Facebook US$ 19 bilhões em 2014, tem demorado para monetizar os seus recursos. Acrescentou ainda que a empresa também está empolgada com modelos sem anúncios, como construir softwares para ajudar negócios a administrar seus serviços em aplicativos do Facebook.

Últimas