Cidades

29/1/2013 às 20h03 (Atualizado em 29/1/2013 às 21h15)

Sócio da boate Kiss já responde por agressão ocorrida em 2001

Elissando Spohr teria incentivado seguranças da boate a baterem em jovens  

Paulo Robertos Tavares, especial para o R7 em Santa Maria (RS)

Um dos sócios da boate Kiss em Santa Maria (RS), Elissando Spohr, é citado em um processo de agressão ocorrido no fim de 2001. A informação foi passada pelo procurador do Ministério Público de Santa Maria, Joel Oliveira Dutra.

A acusação se refere a um episódio em que seguranças da boate teriam agredido um grupo de jovens. Spohr teria incentivado a agressão. O processo está correndo na 4ª vara criminal de Santa Maria.

Sócio da boate Kiss está sedado e isolado em cela especial, diz advogado

Delegado não descarta pagamento de propina para funcionamento da boate Kiss com irregularidades

Ele teve a prisão temporária de cinco dias decretada juntamente com outro sócio, Mário Hoffmann e mais dois músicos da banda.  Porém, diferentemente dos outros que estão detidos, Spohr está internado em uma clínica de Cruz Alta, sob custódia policial.

Veja a cobertura completa do incêndio que deixou centenas de mortos em Santa Maria

Segundo o delegado regional, Marcelo Arigoni, os médicos prescreveram cinco dias de repouso para o empresário, que estaria abalado psicologicamente com a tragédia.

Incêndio

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, a 290 km de Porto Alegre, aconteceu na madrugada de domingo (27). O fogo teria começado quando a banda Gurizada Fandangueira se apresentava. Segundo testemunhas, durante o show foi utilizado um sinalizador — uma espécie de fogo de artifício chamado sputnik — que, ao ser lançado, atingiu a espuma do isolamento acústico, no teto da boate. As chamas se alastraram em poucos minutos.

A casa noturna estava superlotada na noite da tragédia, segundo o Corpo de Bombeiros. Cerca de mil pessoas ocupariam o local. O incêndio provocou pânico e muitos não conseguiram acessar a única saída da boate. Os proprietários do estabelecimento não tinham autorização dos bombeiros para organizar um show pirotécnico na casa noturna. O alvará da casa estava vencido desde agosto de 2012.

Ao entrar na boate Kiss, para socorrer as vítimas do incêndio, os integrantes da corporação se depararam com uma barreira de corpos.

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul, coronel Guido Pedroso de Melo, descreveu a situação.

— Os soldados tiveram que abrir caminho no meio dos corpos para tentar chegar às pessoas que ainda estavam agonizando.

Esta é considerada a segunda maior tragédia do País depois do incêndio do Grande Circo Americano, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro. Em 17 de dezembro de 1961, o circo pegou fogo durante uma apresentação e deixou 503 mortos.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Compartilhe
Pacto de morte coletivo

Pais dizem que filhas não demonstraram variação no comportamento

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Goiânia

Familiares de vítimas de serial killer ficam frente-a- frente com suspeito

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Palmas (TO)

Suspeito de estuprar e matar mulher ri ao ser preso e debocha: “Saio em 3 meses”

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Crime bárbaro

Mãe conta como matou a filha de 7 anos para ritual no PR; ossada é encontrada

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Cidades

  • Últimas de Notícias

Compartilhe
Braço amputado

Tigre ataca menino de 11 anos em zoo do Paraná ; pai responderá por lesão

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!