Policiais militares fazem protesto por valorização e ameaçam greve

Manifestação acontece a partir das 9h em frente ao Palácio dos Bandeirantes

Do R7

Segundo Olímpio, ato de hoje deve ser o primeiro de uma série Tércio Teixeira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Dezenove associações de policiais militares devem estar representadas, na manhã desta terça-feira (1º), em frente ao Palácio dos Bandeirantes, na zona sul de São Paulo, para uma manifestação contra recentes anúncios de aumento salarial feitos pelo governo do Estado.

Na semana passada, o governador Geraldo Alckmin oficializou a criação de gratificação para a carreira de delegado de polícia, que vai elevar o salário da categoria. A decisão irritou o comando da Polícia Militar, já que o plano busca desvincular os salários dos delegados dos valores pagos aos oficiais da PM.

Um dia depois do anúncio, o deputado estadual major Olímpio Gomes (PDT) já afirmou que colocaria “a tropa da ativa na rua" e fecharia "a frente do Palácio dos Bandeirantes". Também em reação ao plano, o vereador coronel Paulo Adriano Telhada (PSDB) disse que Alckmin tratou os policiais como "filhos bastardos".

Em entrevista ao Portal R7, Gomes explicou que o protesto desta terça-feira também se opõe ao anúncio anterior de reajuste de 7% para todas as carreiras de policiais, incluindo os ativos e os inativos. Para o deputado, o aumento é “insignificante”, uma vez que representa um ganho real de apenas 1,38% para os policiais militares.

— Queremos uma revisão salarial mais justa do que esses 7% no padrão. Essa é a reivindicação maior. Em um segundo momento, queremos que seja apresentada uma proposta de reestruturação das carreiras de policiais militares, porque as promoções são extremamente demoradas e desmotivantes.

Leia mais notícias de São Paulo

A concentração, que está marcada para as 9h na praça Vinícius de Moraes, nos arredores da sede da administração paulista, também deve ter a presença de agentes penitenciários e de policiais civis.

O major explica que os policiais civis estão reivindicando a apresentação de uma reestruturação das carreiras. Já os agentes penitenciários querem cobrar o governo pela redução de oito classes na carreira para seis, o que teria sido prometido, mas não vem sendo cumprido.

Greve

O ato, segundo Olímpio, deve ser o primeiro de uma série. Ele explicou que visitou na semana passada alguns quartéis da Polícia Militar pela capital, pedindo apoio daqueles agentes que estiverem afastados ou de folga, e compreensão dos que estiverem em serviço durante a manifestação, evitando que o “protesto ordeiro e pacífico” possa ser marcado por algum tipo de tensão extra.

— Logicamente eles terão missão deles de balizar e acompanhar, mas que não tenha qualquer ação de força para impedir a manifestação, porque ela terá um caráter pacífico, ordeiro, mas incisivo na porta do palácio do governo para dizer o que está acontecendo com a família policial, e por consequência o desdobramento disso em uma péssima prestação de segurança pública que a população tem hoje.

Secretário nega insatisfação de coronéis da PM após novo plano salarial para delegados

Para Olímpio, embora a Constituição Federal proíba que policiais militares realizem greves, tal condição não está descartada em São Paulo.

— Sendo certo que o ato será o primeiro de uma série, em que não havendo o atendimento, poderá se chegar a uma paralisação das atividades da Polícia Militar. Muito embora, constitucionalmente, exista um impedimento do Estado para sindicalização e paralisação de policiais militares, tivemos exemplos recentes nos últimos dez anos na Bahia, em Minas Gerais, no Amazonas, no Rio de Janeiro com os bombeiros, em que a situação ficou tão aguda que houve uma mobilização mais intensa, se chegando a uma paralisação das atividades.

Os líderes da manifestação não esperam ser recebidos por Alckmin nesta terça-feira, tampouco montar acampamento em frente aos portões do Palácio dos Bandeirantes. Para a categoria, o momento é de “marcar posição”.  

  • Espalhe por aí:

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!