Brasil Bolsonaro faz primeira visita oficial à Argentina nesta quinta-feira

Bolsonaro faz primeira visita oficial à Argentina nesta quinta-feira

Em sua sexta viagem ao exterior, presidente deverá tratar sobre agenda bilateral, integração internacional e Mercosul, além de enfrentar protesto

Bolsonaro na Argentina

Bolsonaro recebe Macri, em Brasília, logo após a posse

Bolsonaro recebe Macri, em Brasília, logo após a posse

Marcelo Camargo/Agência Brasil - 16/01/2019

O presidente Jair Bolsonaro faz sua primeira visita oficial à Argentina nesta quinta-feira (6), às vésperas das eleições no país. É a sexta viagem ao exterior em seis meses. O presidente esteve na Suíça, durante o fórum econômico de Davos, em Israel, Chile e duas vezes nos Estados Unidos.

Leia também: Como visita de Bolsonaro pode mexer com eleições na Argentina

A viagem atende a convite do presidente argentino Maurício Macri, que foi o primeiro chefe de estado a visitar o Brasil após a posse de Bolsonaro. O encontro deverá tratar sobre temas da agenda bilateral entre os dois países, integração internacional e Mercosul.

Leia também: Trabalhadores paralisam Argentina com grande greve contra Macri

O Itamaraty afirma que a visita servirá para que "os dois presidentes dêem contornos claros aos novos rumos do relacionamento e confiram o necessário impulso político aos tópicos prioritários da pauta bilateral".

O país vizinho está mergulhado numa grave crise econômica, que elevou a pobreza nos últimos 6 meses e fez o governo decretar o congelamento de preços da cesta básica, além de enfrentar onda de greves.

Leia também: Brasil e Argentina discutem redução de tarifa externa, dizem fontes

Mas o clima político da Argentina, que terá eleições em outubro, deverá ganhar destaque. Em entrevistas recentes, Bolsonaro tem criticado a ex-presidente Cristina Kirchner, principal adversária de Macri, e candidata à vice-presidência do país em chapa com Alberto Fernández, que lidera as pesquisas. "O mundo não quer outra Venezuela", disse o presidente em evento recente em Brasília, se referindo ao regime de esquerda defendido por Cristina.

Protestos

O presidente deverá também enfrentar manifestações. Movimentos políticos, sociais e sindicais da Argentina convocaram protesto contra a visita. O ato está marcado para ocorrer na tradicional Praça de Maio, onde fica a Casa Rosada, sede do governo.

O local é conhecido também por causa das Mães da Praça de Maio, que durante a última ditadura militar no país começaram a organizar manifestações para exigir do regime notícias de seus filhos desaparecidos.

Roteiro da visita

Às 6h50, o presidente da República parte de Brasília rumo a Buenos Aires e tem previsão de chegar à capital argentina às 10h10. De acordo com agenda divulgada ao R7 pela comunicação do Palácio do Planalto, Bolsonaro chega às 10h35 à praça San Martín, onde está marcada homenagem ao general José de San Martín, considerado pai da pátria Argentina.

Ainda de acordo com o cronograma, o presidente chega às 11h à Casa Rosada, residência oficial do presidente Macri, onde tem duas reuniões: uma privada e outra ampliada.

Às 12h40, está prevista uma declaração conjunta para a imprensa. Bolsonaro ainda tem uma reunião com a cúpula do Congresso da Nação Argentina e com o Presidente da Corte Suprema de Justiça.

Também está prevista uma visita de Bolsonaro ao Museu do Bicentenário. Após conhecer o local, o presidente participa, às 13h40, de um almoço oficial oferecido por Mauricio Macri.

Às 14h50, Bolsonaro chega ao Hotel Alvear Palace e, às 16h25, à Embaixada do Brasil para participar do encerramento do Seminário de Indústria de Defesa.

Às 16h55 o presidente da República retorna ao Hotel Alvear Palace, onde tem encontro com empresários às 17h.

Ainda no hotel, Bolsonaro faz uma live por meio de suas redes sociais a partir das 19h e, às 20h, tem um jantar privado.

Na sexta-feira (7), está prevista para as 6h40 a partida de Bolsonaro de Buenos Aires para o Rio de Janeiro, onde deve chegar às 9h25.