Brasil Bolsonaro questiona imparcialidade do Ministério Público do Rio

Bolsonaro questiona imparcialidade do Ministério Público do Rio

Fala do presidente surge em meio processo que apura se Flávio Bolsonaro se beneficiou de um esquema de "rachadinha" na Alerj 

Agência Estado
Bolsonaro diz que trata-se de um "caso hipotético"

Bolsonaro diz que trata-se de um "caso hipotético"

Ueslei Marcelinho/Reuters - 17.12.2020

Ao comentar a investigação contra seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o presidente Jair Bolsonaro colocou em dúvida a imparcialidade do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). As declarações foram dadas em transmissão ao vivo feita via redes sociais na sexta-feira (31) à noite.

Flávio foi denunciado pelo MP-RJ em 3 de novembro por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa num processo que apura se ele se beneficiou de um esquema de "rachadinha" em seu antigo gabinete na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). O esquema acontece quando um servidor ou político fica com parte do salário de um funcionário do gabinete.

Ao falar sobre o caso, Bolsonaro questionou se o MP-RJ investigaria o filho de um integrante da cúpula da instituição supostamente acusado de tráfico de drogas. Segundo o presidente, trata-se de um "caso hipotético". "O que aconteceria, MP do Rio de Janeiro? Vocês aprofundariam a investigação ou mandariam o filho dessa autoridade para fora do Brasil e procurariam maneira de arquivar esse inquérito."

Leia mais: Heleno diz que GSI não produziu relatórios para Flávio Bolsonaro

O presidente prosseguiu: "Caso hipotético, vamos deixar claro. Caso um filho de uma autoridade entrasse num inquérito da Polícia Civil do Rio e aí um delator tivesse falado que ele participava de tráfico internacional de drogas. O que aconteceria?".

Bolsonaro também falou sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio apontado como operador do esquema e preso desde 19 de junho. "Quase todo dia tocam nesse assunto. Se ele errou, pague por seu crime."

Até o fechamento desta reportagem, o MP-RJ não foi localizado para responder aos comentários.

Últimas