Homem nega ataques a Felipe Neto e diz que 'sente revolta'

Leandro de Souza Cavalieri Valle, que se autoproclama "Cavalieri do Otoni", também publicou montagens em que aparece um fuzil

"Cavalieri do Otoni" também publicou montagens em que aparece um fuzil

"Cavalieri do Otoni" também publicou montagens em que aparece um fuzil

Reprodução/Facebook/Cavalieri do Otoni

Um dos homens que ameaçaram o youtuber Felipe Neto nesta semana durante carreata no Rio de Janeiro participou do disparo de fogos de artifício contra a sede do STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, no dia 13 de junho passado. Leandro de Souza Cavalieri Valle, que se autoproclama "Cavalieri do Otoni", também publicou montagens em que aparece um fuzil contra o influenciador. No entanto, Cavalieri nega que tenha atacado o youtuber.

“Eu tenho sentimento de revolta, porque ele (Felipe Neto) tem sacaneado as famílias brasileiras. Eu não xinguei, eu não taquei pedra, não disse que ia dar porrada. O que eu disse é que ele não pode fazer isso com as crianças. E isso eu tenho direito de falar”, afirma.

Cavalieri tem uma outra visão também do que aconteceu no caso envolvendo o STF. “Em relação ao STF, eu estava participando de um culto, na praça dos Três Poderes. Aí um cidadão, do grupo da Sara, começou a soltar fogos de artifício. Mas eu não taquei foguete nenhum. Me gravaram porque estava próximo, apareci em um vídeo, mas não soltei fogos contra o STF não”, acrescenta.

O nome de Cavalieri foi listado pelo vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros ao denunciar o deputado federal Otoni de Paula (PSL-RJ) por difamação, injúria e coação contra o ministro Alexandre de Moraes.

O parlamentar é próximo de Cavalieri, chegando até a emprestar seu sobrenome para ele usá-lo nas urnas nas eleições municipais deste ano. Apesar de se apresentar como "assessor político" do deputado, Cavalieri não é formalmente listado como funcionário do gabinete parlamentar.

De acordo com Medeiros, Cavalieri "se encontra envolvido, ao lado de outros extremistas investigados no Inquérito 4.828 (que apura o financiamento de atos antidemocráticos em Brasília) na explosão de fogos de artifício ocorrida no último dia 13 de junho em direção ao edifício-sede do Supremo".

Nesta semana, Cavalieri foi até a porta do condomínio onde mora Felipe Neto. Em um carro de som, proferiu ameaças contra o youtuber. "Ontem (29/07) estive na porta do condomínio onde ele mora, e o desafiei para um debate, mas o covarde não apareceu, fica fácil se fazer de macho atras das câmeras! Quer destruir a instituição mais importante de todas, que é a família", escreveu nas redes sociais.

Crítico do governo Jair Bolsonaro, Felipe Neto também foi alvo nesta semana de uma onda de desinformação que tentou associá-lo ao crime de pedofilia. Montagens com tuítes falsos creditavam ao youtuber uma frase que ele nunca disse, conforme checado pelo Estadão Verifica.

"Nos últimos dias pudemos observar a intensificação de uma campanha organizada e estruturada contendo informações comprovadamente falsas, com o intuito de prejudicar a imagem de sua pessoa. Mais do que isso, algumas informações circuladas em redes sociais e aplicativos de mensagens contém frases e posicionamentos atribuídos a Felipe Neto sem que ele em momento algum os tenha manifestado", afirmam as entidades. "A intenção desta campanha difamatória ultrapassa, e muito, os limites da crítica, os limites protegidos pelo constitucional direito de se expressar, ao atribuir a Felipe Neto ações que inclusive podem constituir a prática de crimes".