Brasil Presídios de Manaus registram mortes de 55 presos em dois dias

Presídios de Manaus registram mortes de 55 presos em dois dias

As mortes ocorreram no Instituto Penal Antônio Trindade, na Unidade Prisional do Puraquequara, CDPM I e no Complexo Anísio Jobim

  • Brasil | Da Agência Estado e Agência Brasil

Complexo Penitenciário Anísio Jobim, na capital amazonense, que teve 15 mortos

Complexo Penitenciário Anísio Jobim, na capital amazonense, que teve 15 mortos

Marcelo Camargo/Agência Brasil

O governo do Amazonas corrigiu para 40 o número de presos encontrados mortos em celas de três presídios do Estado nesta segunda-feira (27). Os assassinatos ocorreram após a morte de outros 15 detentos no domingo (26). Em dois dias, o Estado do Amazonas registrou 55 mortes de presos.

Leia também: Preso grupo que utilizava drones para levar objetos a presídios de SP

As mortes, segundo a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), ocorreram por enforcamento no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) e no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM1), em Manaus.

Entre as 40 mortes contabilizadas nesta segunda-feira (27), 25 ocorreram no IPAT, quatro no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), cinco no CDPM1 e seis na UPP.

Agentes do Grupo de Intervenção Prisional (GIP) e do Batalhão de Choque da Polícia Militar fazem nesta segunda-feira revista e a recontagem dos presos. Um inquérito será aberto para investigar os homicídios.

Leia mais: Falta de água, tortura e visitas: a situação de presídios no Ceará

As mortes ocorrem um dia depois que 15 detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, foram assassinados. 

Os detentos, segundo a Secretaria de Administração Penintenciária de Manaus, foram atacados com escovas de dentes e 'mata-leão'. A chacina ocorreu em horário de visita de familiares.

Últimas