Brasil Temer critica protecionismo e diz que ‘dá assistência’ a venezuelanos

Temer critica protecionismo e diz que ‘dá assistência’ a venezuelanos

Presidente fez o 1º discurso da 73ª Assembleia Geral da ONU, realizada em Nova York. Emedebista afirmou que entregará um país melhor ao sucessor

73ª Assembleia Geral da ONU

Como tradição, Brasil é responsável pelo 1º discurso na Assembleia Geral da ONU

Como tradição, Brasil é responsável pelo 1º discurso na Assembleia Geral da ONU

Carlo Allegri/Reuters - 25.09.2018

O presidente Michel Temer (MDB) disse na manhã desta terça-feira (25), durante a abertura da 73ª Assembleia Geral da ONU (Organizações das Nações Unidas), que o Brasil tem dado apoio aos refugiados venezuelanos que buscam uma nova vida no país (assista ao discurso de Temer na íntegra abaixo).

Temer afirmou ser dever do Brasil proteger os refugiados que chegam ao território nacional. Segundo o presidente, o país procura "dar toda assistência".

— Construímos abrigos, temos promovido sua interiorização para outras regiões do pais, emitimos documentos para que possam trabalhar.

O emedebista também citou que o país dá "educação e saúde" para todos os refugiados que chegam no país.

Para Temer, a situação dos refugiados da Venezuela vai melhorar quando o país conseguir reverter a crise que está vivendo. "Somos um povo [brasileiro] forjado na diversidade. Há um pedaço do mundo em todo brasileiro", afirma, reforçando que o país busca dar boas condições de vida aos imigrantes.

Temer também criticou o protecionismo e isolamento adotado por alguns países. "Com abertura e integração, nos cercamos de um futuro melhor para todos. O isolamento pode dar uma falsa sensação de segurança. O protecionismo pode até soar sedutor", afirmou. O presidente disse ainda que é, "na abertura do povo e não na introspecção, que construíremos uma porperidade compartilhada". 

Em seu discurso, o presidente citou ainda temas como a proteção do meio ambiente brasileiro, tráfico de drogas e pessoas, combate aos crimes nas fronteiras e cooperação com países vizinhos. Temer defendeu a importância da democracia, citando que esta foi a última vez em que pode falar na ONU como representante do Brasil.

Ao final do discurso, o presidente afirmou que deixa um "país melhor" para o sucessor. "O país que entregarei a quem o povo brasileiro venha a eleger, é melhor do que o que eu recebi", finalizou.

Temer discursou depois do secretário-geral da ONU, António Guterres, e da presidente da Assembleia, María Fernanda Espinosa, que inaugurou o evento desta terça. 

Assista ao discurso do presidente Michel Temer na íntegra:

Viagem para os Estados Unidos

O presidente Temer viajou para Nova York (EUA) no domingo (23) para participar do evento da ONU. Ao chegar no local nesta terça, Temer foi recebido por Gutteres.

Líderes globais se encontram durante o evento para debater as dificuldades e estratégias para desenvolvimento dos direitos humanos e todos assuntos que possam afetar os habitantes do planeta, como estabelecimento da paz, igualdade de gênero e proteção do meio ambiente. 

Dos 193 países-membro da ONU, cada um deles possui um voto para os assuntos da pauta. Neste ano, o tema da Assembleia é "liderança global e responsabilidade compartilhada". 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), também estão fora do País no período entre domingo e terça-feira (25), sem agendas oficiais. Durante estas ausências, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Antonio Dias Toffoli, assume a Presidência da República.

Veja como é a vida de uma família de venezuelanos em Pacaraima, em Roraima: