Brasília 'Alesp fez justiça ao cassar Arthur do Val', diz ex-embaixatriz da Ucrânia no Brasil

'Alesp fez justiça ao cassar Arthur do Val', diz ex-embaixatriz da Ucrânia no Brasil

Segundo Fabiana Tronenko, ex-deputado cassado conseguiu unir direita, esquerda e centro contra ele

  • Brasília | Carlos Eduardo Bafutto, do R7, em Brasília

Ex- embaixatriz da Ucrânia no Brasil, Fabiana Tronenko

Ex- embaixatriz da Ucrânia no Brasil, Fabiana Tronenko

Reprodução

Presente na sessão da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) que aprovou a cassação do ex-deputado estadual Arthur do Val, a ex- embaixatriz da Ucrânia no Brasil, Fabiana Tronenko, disse que Arthur conseguiu o impossível: unir direita, esquerda e centro. "Não houve qualquer articulação política pra tentar livrá-lo", disse a ex-embaixatriz. 

Ao R7, Fabiana disse que, para ela, a Alesp fez justiça ao cassar o deputado. "O que vimos hoje é que, de certa forma, foi resgatada a justiça brasileira", afirmou. "Não adiantou [Arthur do Val] se esconder atrás dessa narrativa de 'perseguição política'", completou. 

O vazamento de um áudio do ex-deputado também conhecido como "Mamãe Falei" causou polêmica em março. Na gravação, Arthur afirma que as mulheres ucranianas seriam "fáceis porque são pobres". A mensagem foi enviada durante uma viagem do ex-parlamentar à Ucrânia, na qual ele alega ter 'atuado para auxiliar a população do país' invadido pela Rússia. 

Na época do vazamento, Fabiana publicou em suas redes sociais um apelo pela cassação do mandato do deputado. Veja abaixo:

Fabiana conta que na época, não conseguiu chegar até o fim do áudio, tamanha a revolta pelas palavras do ex-deputado. "Não consegui ouvir aquele áudio até o final porque aquilo me enojou de uma maneira que só consegui chorar. Só na sessão desta terça-feira [17] fui ouvir o áudio completo. E voltei a chorar", relatou.

Arthur do Val perdeu os direitos políticos por oito anos. Ele havia renunciado ao cargo enquanto o processo estava em aberto na Alesp, mas os deputados entenderam que a decisão sobre perda de mandato precisava ser tomada pela assembleia.  

"Acompanhei o conselho de ética e vi todo o procedimento. Na votação final queria muito estar perto," disse Fabiana Tronenko. Ela conta que, após a repercussão do caso, muitos homens brasileiros se revoltaram com as falas do ex-deputado. "Para mim, a cassação prova, mais uma vez, que o deputado cometeu uma atrocidade desrespeitando as mulheres as crianças, os jovens, em um país que está vulnerável há 82 dias em guerra", disse ela. "Imagine você sair do Brasil, com sua bandeira, para representar seu país, com ajuda humanitária e, em vez disso, envergonhar o país", acrescentou. 

Às mulheres, Fabiana disse que nunca fiquem caladas diante da misoginia. "Não podemos deixar nunca que nenhum machista, sexista, misógino fale sobre nós. Não podemos calar. Foi com a força das mulheres e dos homens que conseguimos o resultado de hoje", comemorou.

Últimas