Brasília Bolsonaro participa de evento de promoção de oficiais-generais do Exército

Bolsonaro participa de evento de promoção de oficiais-generais do Exército

Cerimônia ocorreu no Clube do Exército, em Brasília, nesta quinta; este é o segundo evento público do presidente após as eleições

  • Brasília | Do R7

O presidente Jair Bolsonaro (PL), que participou de evento de promoção de oficiais-generais do Exército

O presidente Jair Bolsonaro (PL), que participou de evento de promoção de oficiais-generais do Exército

Isac Nóbrega/PR - 26.11.2022

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou, na manhã desta quinta-feira (1º), da solenidade de promoção de oficiais-generais do Exército, em Brasília. Trata-se do segundo evento público do qual Bolsonaro participa após as eleições. O primeiro ocorreu no último sábado (26), em Resende, no Rio de Janeiro, quando esteve presente na cerimônia de entrega de espada a aspirantes a oficiais do Exército.

O chefe do Executivo deixou o local sem discursar. De acordo com o Exército, a entrega da espada de general obedece a um cerimonial que “simboliza a importância da investidura do oficial como chefe militar, enfatizando os vínculos que o unem ao passado e ao futuro da Instituição”.

Receberá a Ordem do Mérito Militar no Grau Grã-Cruz, a Medalha Exército Brasileiro, a Medalha Tributo à Força Expedicionária Brasileira e a Medalha Soldado do Silêncio o seguinte oficial-general:

• General de Exército Combatente Luciano Guilherme Cabral Pinheiro

Receberão a Ordem do Mérito Militar no Grau Grande Oficial os seguintes oficiais-generais:

• General de Divisão Combatente Ivan de Sousa Corrêa Filho
• General de Divisão Combatente Ulisses de Mesquista Gomes
• General de Divisão Combatente Alexandre Oliveira Cantanhede Lago
• General de Divisão Combatente Rogério Cetrim de Siqueira

Receberão as espadas e a Ordem do Mérito Militar no Grau Comendador os seguintes oficiais- generais:

• General de Brigada Combatente Ricardo Moussallem
• General de Brigada Combatente Marcus Vinicius Gomes Bonifacio
• General de Brigada Combatente Marcio Cossich Trindade
• General de Brigada Combatente Ádamo Luiz Colombo da Silveira
• General de Brigada Combatente Erb Lyra Leal

Reclusão

O presidente está recluso desde o segundo turno das eleições, em 30 de outubro. Desde então, Bolsonaro apareceu poucas vezes diante do público e interrompeu a transmissão de lives, feitas tradicionalmente às quintas-feiras.

De lá para cá, o presidente fez um pronunciamento no Palácio da Alvorada em que agradeceu os votos recebidos. Além disso, ele pediu a seus apoiadores, por meio de um vídeo divulgado nas redes sociais, que desbloqueassem as rodovias do país em protesto contra o resultado eleitoral.

Em 3 de novembro, Bolsonaro se encontrou rapidamente com o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), no Palácio do Planalto. Na ocasião, ele se dispôs a contribuir com o governo de transição.

"Foi positivo. O presidente convidou para que fosse ao seu gabinete. E reiterou o que disseram o ministro [da Casa Civil] Ciro Nogueira e o ministro [da Secretaria-Geral da Presidência da República] Luiz Eduardo Ramos, da disposição do governo federal de prestar todas as informações e colaborações, para que se tenha uma transição pautada pelo interesse público", disse Alckmin na ocasião.

Ação do PL

O PL, partido de Bolsonaro, contestou o pleito de 2022 e acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que os votos depositados em urnas de modelos anteriores a 2020, no segundo turno da eleição, fossem desconsiderados.

Inicialmente, o presidente da corte, o ministro Alexandre de Moraes, informou que a medida deveria valer também para o primeiro turno, uma vez que as mesmas urnas foram utilizadas no período. O PL, contudo, reafirmou o pedido relacionado apenas ao segundo turno, e Moraes, por sua vez, negou a ação.

Além disso, o ministro aplicou multa de R$ 22,9 milhões à coligação de Bolsonaro, que reúne ainda PP e Republicanos, e bloqueou o fundo partidário das legendas. Os dois partidos, porém, afirmaram reconhecer o resultado eleitoral e foram retirados da suspensão. A dívida, então, ficou apenas com o PL.

Comandado por Valdemar Costa Neto, o PL afirmou, em comunicado divulgado nesta terça-feira (29), que adotará todas as medidas adequadas para preservar o direito "constitucional e democrático" de contestar decisões judiciais "sem sofrer retaliação". A sigla, contudo, não explicou como vai fazê-lo.

"O Partido Liberal vai adotar todas as medidas adequadas para preservar a liberdade, o direito à livre atividade parlamentar e partidária, o direito à liberdade de expressão e, mais ainda, o direito constitucional e democrático de contestar decisões judiciais sem sofrer qualquer retaliação", disse a legenda.

Últimas