Brasília Candidatas denunciam assédio de presidente do Solidariedade no DF

Candidatas denunciam assédio de presidente do Solidariedade no DF

De acordo com relato das vítimas, Hélio José tentou beijá-las à força e as apalparam; ex-senador nega as acusações

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Ex-senador Hélio José (Solidariedade) em gravação de vídeos com Viviane Alves e Marly Medeiros

Ex-senador Hélio José (Solidariedade) em gravação de vídeos com Viviane Alves e Marly Medeiros

Reprodução/Redes Sociais

Duas candidatas do Solidariedade no Distrito Federal denunciaram o ex-senador e presidente regional do partido, Hélio José, por assédio. Segundo as denunciantes, José teria tentado beijá-las à força e passado a mão nelas. As violações teriam ocorrido na terça-feira (23), quando elas gravavam vídeos para a propaganda eleitoral, que começa nesta sexta-feira (26). Em nota, o ex-senador negou as denúncias e afirmou que pretende processar as denunciantes por calúnia e difamação.

A gravação foi marcada para ocorrer na sede do PSDB, sigla com a qual o Solidariedade firmou aliança depois que Hélio José assumiu a presidência por meio de uma ordem judicial provisória. O partido rompeu a aliança com o grupo de Ibaneis Rocha (MDB) e decidiu apoiar o senador Izalci Lucas (PSDB) ao governo do DF.

Assédio

Uma das supostas vítimas é Viviane Alves, postulante a uma vaga na Câmara dos Deputados. Segundo ela, ainda no carro no trajeto para a locação, Viviane teria recebido uma ligação de um assessor de Hélio José perguntando se ela já estava a caminho. Em seguida, o ex-senador teria tomado o do asessor telefone e dito: "Como está, deputada? Você é a que promove a alegria dos homens".

A candidata chegou à recepção do PSDB acompanhada do marido e do assessor. Segundo Viviane, Helio José teria repetido a frase em meio a outros candidatos agendados para a gravação.

"Fiquei constrangida de ele falar várias vezes a mesma coisa", afirmou. Para justificar, José disse que assistia aos vídeos de Viviane. Ela mantém um canal no Youtube onde fala sobre a prática de troca de casais. Depois disso, foram para uma sala onde foi feita a gravação da propaganda eleitoral. "Sou acostumada a gravar vídeos, mas errei, fiquei nervosa", conta.

Enquanto filmavam, Hélio José teria se aproveitado da aproximação para passar a mão nas costas e nas nádegas da candidata, afirma. Na saída, enquanto se despedia dos demais candidatos, Viviane teria sido novamente interpelada por Hélio José. "Ele veio de novo, foi tudo muito rápido. Ele segurou meu queixo, tentou me beijar na frente de todo mundo. Tirei o braço, me esquivei. Há muitos anos, não passava por uma situação desse jeito", diz a candidata.

Uma das testemunhas foi a candidata a deputada distrital Marly Medeiros, de 57 anos. "Vi a hora em que ele pegou o queixo dela". Ela também foi ao local para gravar a propaganda eleitoral e afirma que passou pela mesma situação dentro da sala de gravação.

"Quando fui cumprimentá-lo, ele veio para cima, eu levei a mão à frente. Ele puxou minha mão, com a boca em direção a minha. Ele tentou me beijar, dar selinho na minha boca. Sou uma mulher casada, não aceito isso e nem que não fosse", relatou. "Fiquei muito nervosa, me senti constrangida, acabou saindo uma gravação não muito boa". Na saída, ele investiu novamente. "Puxou minha mão e tentou me beijar de novo", ressalta.

Denúncia

No dia seguinte, durante um almoço com integrantes do PP, grupo da aliança com o governador Ibaneis Rocha (MDB), Marly chamou Viviane para uma conversa e contoui que teria passado pela mesma situação. Elas decidiram então ir juntas registrar boletim de ocorrência. "Como candidata, não posso estar apoiando mulheres e aceitar uma situação dessa", diz Marly.

Elas procuraram a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), onde permaneceram por quase cinco horas. O caso despertou lembranças na candidata, que afirma ter sido vítima de estupro na adolescência.

Apesar do suposto assédio, tanto Marly como Viviane garantem que vão manter as candidaturas. "Fui desrespeitada, não gostei da forma como fui tratada, para mim foi um assédio, vou atrás de meus direitos", frisou Viviane.

Defesa

Procurado, Hélio José negou as acusações. "As duas candidatas, de forma totalmente irresponsável e manipuladas pelos adversários, tomaram esse tipo de atitude", disse. Ele afirmou que a gravação foi acompanhada por outras pessoas, inclusive mulheres.

O ex-senador disse que pretende processar as denunciantes por calúnia e difamação e requerer à comissão de ética o encaminhamento da impugnação da candidatura delas. "(Viviane Alves) pode ter inventado essa coisa equivocada, não sei por que tomou essa atitude, totalmente louca. Tem que provar", afirmou o dirigente. 

Últimas