Brasília CPI das Americanas tenta pela 2ª vez ouvir Márcio Cruz Meirelles, ex-diretor suspeito de fraude

CPI das Americanas tenta pela 2ª vez ouvir Márcio Cruz Meirelles, ex-diretor suspeito de fraude

Depoimento na comissão está previsto para esta terça; Meirelles não compareceu ao testemunho marcado para o dia 8

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Empresa declarou rombo que passa dos R$ 40 bilhões

Empresa declarou rombo que passa dos R$ 40 bilhões

Ueslei Marcelino/Reuters-12/01/2023

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Americanas, na Câmara dos Deputados, pretende ouvir nesta terça-feira (15) o ex-diretor da empresa Márcio Cruz Meirelles. Ele foi obrigado a comparecer ao colegiado por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, depois de ter sido convocado pelos parlamentares e não ter ido prestar depoimento na data que havia sido marcada, o dia 8. A CPI investiga uma suposta fraude contábil na rede varejista.

Apesar da obrigatoriedade de ir à CPI, Meirelles poderá ficar em silêncio. Ele é um dos suspeitos de fraude fiscal nos balanços da Americanas, que, em janeiro, declarou um rombo de R$ 20 bilhões — hoje já passa dos R$ 40 bi — nos cofres da empresa. A rede varejista pediu recuperação judicial.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram

De acordo com a decisão do STF, o ex-diretor tem o dever de se manifestar sobre os fatos e acontecimentos relacionados à CPI ligados ao exercício da função que então exercia. Além disso, deve, contudo, ser assegurada a garantia de não autoincriminação.

Depoimento será 'constrangimento público'

Na semana passada, o presidente da CPI, deputado Gustinho Ribeiro (Republicanos-SE), solicitou a condução coercitiva de Meirelles após ele não ter comparecido à sessão do último dia 8.

Ao STF, a defesa afirmou que a ida do ex-diretor "representaria apenas constrangimento público, considerando que a sessão (possivelmente) consistirá em um emaranhado de perguntas sem respostas, além dos custos da viagem e uma grande perda de tempo para os membros da comissão".

Últimas