Brasília Eduardo Bolsonaro quer convocar ministra do Turismo por ligação com milícia do RJ

Eduardo Bolsonaro quer convocar ministra do Turismo por ligação com milícia do RJ

Daniela do Waguinho é ligada à família de Juracy Alves Prudêncio, o Jura, condenado por chefiar uma milícia na Baixada Fluminense

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Lula e Daniela Carneiro durante cerimônia de nomeação como ministra do Turismo

Lula e Daniela Carneiro durante cerimônia de nomeação como ministra do Turismo

Ricardo Stuckert / PT / 02.01.2023

Filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) informou que vai protocolar, na Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados, requerimento de convocação da ministra do Turismo, Daniela Carneiro (União Brasil-RJ), mais conhecida como Daniela do Waguinho.

"Vou protocolar na Comissão de Segurança Pública: convocação da ministra do turismo [sic] devido ao que circula sobre seu envolvimento com milícias", afirmou Eduardo Bolsonaro pelas redes sociais. O documento, porém, deve ser protocolado após 1º de fevereiro, quando o Congresso Nacional retoma as atividades parlamentares.

A ministra do Turismo é ligada à família de Juracy Alves Prudêncio, o Jura, condenado por chefiar uma milícia na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Daniela do Waguinho se reelegeu deputada federal nas eleições do ano passado e assumiu a pasta no governo federal na primeira semana deste ano.

Jura é ex-sargento da Polícia Militar e foi condenado a 22 anos de prisão pelos crimes de homicídio e associação criminosa – ele já cumpriu cerca de 15 anos. A ministra do Turismo é casada com Waguinho, prefeito de Belford Roxo (RJ) e presidente estadual do partido União Brasil no Rio de Janeiro.

Em sua primeira reunião ministerial, realizada na última sexta-feira (6), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que qualquer ministro que se envolver em atos ilícitos será demitido do governo e terá que se pôr à disposição das investigações judiciais.

"Quem fizer errado sabe que tem só um jeito: a pessoa será simplesmente, da forma mais educada possível, convidada a deixar o governo. E, se cometer algo grave, a pessoa terá que se colocar diante das investigações e da própria Justiça", disse Lula.

Entretanto, o petista não citou o caso de Daniela. Questionado, o ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT-BA), destacou que o episódio envolvendo a ministra do Turismo não foi tratado na reunião ministerial.

"Não tem nada relevante, nada substancial que justifique qualquer preocupação nesse momento do governo, e portanto isso não está na agenda do governo", afirmou Rui Costa, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Ainda na publicação que fala sobre um possível convocação de Daniela, o deputado federal Eduardo Bolsonaro contou que vai apresentar outro requerimento para convocar o Ministério da Justiça e Segurança Pública "devido à grave fala de acionar forças estrangeiras contra os policiais brasileiros".

Últimas