Brasília Haddad anuncia integrantes da Fazenda; veja quem são

Haddad anuncia integrantes da Fazenda; veja quem são

Os nomes foram divulgados nesta quinta-feira (22) pelo futuro ministro, em coletiva de imprensa realizada no CCBB, em Brasília

  • Brasília | Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e membros do ministério, no CCBB

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e membros do ministério, no CCBB

Reprodução Youtube Lula

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou nesta quinta-feira (22) nomes que vão compor o ministério a partir de janeiro de 2023. São eles:

– Marcos Barbosa Pinto, para a Secretaria de Reformas Econômicas;
– Rogério Ceron, para a Secretaria do Tesouro Nacional;
– Guilherme Mello, para a Secretaria de Política Econômica;
– Robinson Barreirinhas, para a Receita Federal.

"Eu tenho muita clareza da qualidade técnica dos nossos quadros, que vão ser aproveitados, mas aqui tem uma equipe que vai jogar junto, é um time só, e o primeiro escalão do Ministério da Fazenda está praticamente montado", disse Haddad.

O futuro ministro disse, ainda, que está fechando o nome para ocupar a Secretaria de Assuntos Internacionais e que deve anunciá-lo na próxima semana. Os futuros presidentes da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, segundo Haddad, "estão mais adiantados", mas falta o presidente diplomado Luiz Inácio Lula da Sila (PT) bater o martelo.

Composição do ministério

Haddad havia anunciado, no último dia 19, Anelize Almeida para o cargo de procuradora-geral da Fazenda Nacional e Gustavo Caldas como subprocurador-geral da Fazenda Nacional.

A PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) é um órgão de consultoria jurídica e tem, entre outras atribuições, a função de examinar e fiscalizar os contratos de interesse da União, apurar e inscrever a dívida ativa federal para fins de cobrança judicial e cooperar com o Ministério Público da União.

O futuro ministro havia informado, também, que o economista Gabriel Galípolo vai exercer o cargo de secretário-executivo — o segundo posto mais importante da pasta — e Bernard Appy, o de secretário especial para a reforma tributária.

Últimas