Brasília Mourão diz que governo vai indicar nome para chefiar Conselho da Petrobras em até 10 dias

Mourão diz que governo vai indicar nome para chefiar Conselho da Petrobras em até 10 dias

No fim de semana, Rodolfo Landim anunciou que abriu mão da indicação para presidir o conselho da estatal

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

O vice-presidente Hamilton Mourão

O vice-presidente Hamilton Mourão

Alan Santos/PR

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (4) que o governo ainda tem um prazo de dez dias para indicar um nome à presidência do Conselho de Administração da Petrobras. "O Landim já apresentou a desistência dele. Então o governo vai ter que procurar outra pessoa para colocar no conselho, e seguindo os trâmites legais, então ainda tem um prazo de dez dias para concluir esse processo", informou o general.

No fim de semana, Rodolfo Landim anunciou que abriu mão da indicação para presidir o conselho. O presidente do Flamengo publicou uma carta no site oficial do time em que informa aos torcedores que permanecerá no cargo que ocupa hoje. O anúncio foi feito após o time perder o Campeonato Carioca para o Fluminense.

Leia também: 'Decisões do Judiciário precisam ser estudadas', diz Mourão sobre bloqueio do Telegram

O vice-presidente também disse que a indicação do presidente do Flamengo seguiu critérios técnicos. "Tanto o Landim quanto o [Adriano] Pires são gente com experiência. Landim foi 26 anos funcionário da Petrobras, é um cara da área. Conhece o assunto", concluiu. 

A indicação de Landim havia sido feita após a saída do presidente do grupo, almirante Eduardo Bacellar Leal, que deixou a empresa no início do mês de março alegando motivos pessoais.

A estatal também sofreu outra baixa, dessa vez na presidência. O presidente Jair Bolsonaro (PL) demitiu o então presidente, general Joaquim Silva e Luna, por estar insatisfeito com a política de preços da estatal. O governo indicou, então, o economista Adriano Pires, especialista em óleo e gás, para o posto.

A metodologia usada pela Petrobras é a PPI (Preço de Paridade Internacional), que faz com que o preço da gasolina, do etanol e do óleo diesel acompanhem a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional, bem como a variação do dólar.

Últimas