Brasília Mulher é presa acusada de dopar homem para furtar caminhonete

Mulher é presa acusada de dopar homem para furtar caminhonete

Mayra Patrícia estava sendo investigada desde janeiro e, segundo a polícia, é uma criminosa fria e uma estelionatária compulsiva

  • Brasília | Vanessa Marques, do R7 Brasília e Dionisio Freitas, da Record TV

Uma mulher de 34 anos foi presa acusada de aplicar o golpe "boa noite, Cinderela" em homens. Mayra Patrícia Leite Costa foi detida na última terça-feira (9) pela PCGO (Polícia Civil de Goiás), em Valparaíso de Goiás, após a denúncia de uma de suas vítimas. O caso aconteceu na madrugada do dia 23 de setembro e o homem que caiu no golpe ficou desacordado durante 12 horas.

Segundo a delegada Samya Noleto, para atrair as vítimas, Mayara sentava sozinha em um bar, começava a beber e esperava abordava homens que estavam sozinhos. Após conseguir confiança das vítimas, ela concordava em ir até as casas deles, os dopava e, enquanto eles dormiam, furtava objetos. De acordo com a investigação, Mayara revendia quase tudo que furtava para não deixar pistas.

Mayra Patrícia Leite Costa - acusada de aplicar golpe do 'boa noite, Cinderela'

Mayra Patrícia Leite Costa - acusada de aplicar golpe do 'boa noite, Cinderela'

Record TV DF

Uma das vítimas, que não quis se identificar, afirmou que Mayara parecia educada e acessível. Ele relatou que quando o bar fechou, ele comprou algumas cervejas e a levou para casa. “Assim que chegamos na minha casa, nós colocamos músicas românticas. As latinhas de cerveja estavam sobre a mesa, dei um gole e percebi o gosto amargo na cerveja”, relatou. O homem contou que acordou no dia seguinte e percebeu que tinha sido roubado.

As câmeras de segurança captaram as imagens de Mayara furtando os pertences da vítima por volta das 7h15 da manhã. Ela furtou uma televisão e a caminhonete. De acordo com a polícia, essa rotina fez com que a acusada ficasse conhecida como a dama dos crimes do entorno do Distrito Federal. 

Investigação

Mayara vinha sendo investigada pela polícia desde de janeiro deste ano. Ela estaria cometendo diferentes tipos de crime há pelo menos 3 anos. De acordo com delegada Samya, a acusada também já aplicou golpes em aplicativos de comida, em que não pagou pelos alimentos, e chegou a contratar chaveiros para roubar carros.

Nove das vítimas de Mayara foram identificadas. Com autorização da Justiça, os policiais fizeram buscas na casa dela e encontraram remédios e objetos que podem ter sido furtados das vítimas. Para os policiais que a investigavm, o número de vítimas de Mayara deve ser bem maior do que o relatado. Segundo eles, muitas vítimas têm vergonha de registrar queixa contra esse tipo de golpe.

Últimas