STF

Brasília PGR pedirá a STF que abra inquérito sobre o ministro da Educação

PGR pedirá a STF que abra inquérito sobre o ministro da Educação

Investigação vai avaliar a eventual influência de pastores na pasta comandada por Milton Ribeiro

  • Brasília | Renato Souza, do R7, em Brasília

Ministro da Educação é acusado de se envolver em suposto esquema de tráfico de influência

Ministro da Educação é acusado de se envolver em suposto esquema de tráfico de influência

Valter Campanato/Agência Brasil - 29.11.2021

A PGR (Procuradoria-Geral da República) decidiu solicitar ao STF (Supremo Tribunal Federal) a abertura de inquérito para investigar o ministro da Educação, Milton Ribeiro. Ele é suspeito de se envolver em um esquema de tráfico de influência na pasta. Pastores que não têm cargo público atuariam para induzir a liberação de verbas para municípios.

O pedido deve ser protocolado no Supremo ainda nesta quarta-feira (23), de acordo com fontes ouvidas pelo R7. A Corte recebeu outros quatro pedidos de investigação além da solicitação da PGR.

As suspeitas tiveram início com a publicação, pela Folha de S.Paulo, de um áudio em que o ministro afirma dar prioridade à liberação de recursos para municípios indicados pelos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura. Em seguida, em outro áudio, o prefeito de Luis Domingue (MA), Gilberto Braga, afirma que um pastor pediu a ele 1 kg de ouro em propina para influenciar o repasse de verbas pelo Ministério da Educação.

A investigação solicitada pela PGR deve focar as duas linhas de investigação, tanto sobre a influência dos religiosos junto ao ministro Milton Ribeiro quanto sobre o eventual repasse de propina para influenciar na liberação de recursos. Na gravação, o ministro afirma que houve um pedido pessoal do presidente Jair Bolsonaro para atender os pastores. 

Em nota, Ribeiro negou as acusações e disse que não existe a possibilidade de que os recursos sejam repassados por causa de influências. Ele alega que todas as decisões seguem caráter técnico e que o presidente Jair Bolsonaro não fez recomendações.

Últimas