Brasília Projeto do TJDFT e fundação humanitária realiza cirurgia em vítima de violência doméstica

Projeto do TJDFT e fundação humanitária realiza cirurgia em vítima de violência doméstica

Mulher de 44 anos teve grande parte do corpo queimado pelo agressor; médicos são voluntários

  • Brasília | Rafaela Soares, do R7, em Brasília

Mulher teve o corpo queimado para o agressor

Mulher teve o corpo queimado para o agressor

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Uma moradora de 44 anos, que teve grande parte do seu corpo queimado após um episódio de violência doméstica, passou por uma cirurgia plástica. O procedimento foi feito graças ao Projeto Recomeçar, uma parceria firmada entre o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e a Fundação Instituto para Desenvolvimento do Ensino e Ação Humanitária da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (Fundação IDEAH/SBCP).

O procedimento foi realizado por uma equipe com cinco médicos, além de enfermeiros e técnicos. Segundo o presidente da Fundação IDEAH, cirurgião Luciano Ornelas Chaves, a operação traz uma nova possibilidade para a vida da paciente.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

"Foi uma cirurgia iluminada e muito importante para essa paciente. Além de sequelas físicas muito graves, essa paciente tem uma sequela emocional, afetiva e de autoestima muito grande. Essa reparação trouxe a possibilidade de uma nova caminhada para a vida dela", avaliou.

Todos os médicos que participaram do projeto são voluntários. Parte das despesas é custeada pelo SUS e a outra é fruto de uma parceria com a rede privada.

Passo a passo até a cirurgia

A mulher, que não teve o nome divulgado, passou por uma avaliação com outras 27 pessoas. Algumas das escolhidas não puderam fazer algum procedimento por contraindicação médica e outras preferiram não passar por uma intervenção cirúrgica. No fim, duas pacientes foram selecionadas pela equipe do projeto. 

A juíza Luciana Lopes Rocha, titular do Juizado de Violência Doméstica de Taguatinga e coordenadora do Núcleo Judiciário da Mulher, afirmou que o projeto vai continuar com os procedimentos restauradores. "A Fundação IDEAH pretende realizar próximo mutirão em março de 2024, para maior encaminhamento de vítimas a serem beneficiadas pelo Projeto", informa.

Projeto Recomeçar

O termo que firmou a cooperação entre o TJDFT e a Fundação IDEAH/SBCP foi assinado em abril deste ano, em cerimônia realizada na sede do Tribunal.

O projeto está respaldado em leis como a Lei Maria da Pena, Lei Henry Borel e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU (Organização das Nações Unidas).

Integrante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, a Fundação IDEAH é um órgão humanitário de ensino e pesquisa. A iniciativa já realizou mais de 7 mil cirurgias plásticas reparadoras em pacientes carentes e mutirões de reconstrução mamária em pacientes mastectomizadas após câncer de mama, escalpeladas na região amazônica e com lábio leporino.

Canais de denúncias

Disque Denúncia - Ligue 197 ou (61) 98626-1197 (WhatsApp)

Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher - (61) 3207-6172/ 3207-6195 - Funcionam 24 Horas

PMDF - Ligue 190

Núcleo de Gênero do MPDFT - (61) 3343-6086 e (61) 3343-9625

Núcleo de Assistência Jurídica de Defesa da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública - WhatsApp (61) 999359-0032

Últimas