Cidades Ceará quer lei para dar recompensa por informações sobre ataques

Ceará quer lei para dar recompensa por informações sobre ataques

Assembleia vai analisar pacote de medidas encaminhado pelo governador, que inclui oferta de dinheiro por informações que leve a autores de ataques

Estado entra em seu 10º dia de ataques liderados por facções criminosas

Estado entra em seu 10º dia de ataques liderados por facções criminosas

Correio do Povo

Após 10 dias de ataques criminosos a prédios, viadutos e ônibus em Fortaleza e no interior do Ceará, o governador Camilo Santana (PT) anunciou no fim da tarde desta sexta-feira (11), uma série de medidas para reforçar a segurança no Estado. Entre elas está a criação de uma lei que prevê pagamento em dinheiro pelo Estado por informações da população que resultem na prevenção de atos criminosos e prisões.

Leia mais: Vamos mostrar ao crime quem é que manda, diz governador

Algumas propostas demandam a aprovação da Assembleia Legislativa do Ceará, que deve se reunir em sessão extraordinária neste sábado (12) para analisar as solicitações.

Entre outras medidas, anunciadas em vídeo pelo governador, estão: a convocação de policiais militares na reserva; aumento na quantidade de horas extras que podem ser pagas a policiais civis e militares, além dos bombeiros;  e convocação imediata de mais 220 agentes penitenciários para atuar no sistema. Outros 220 já haviam sido chamados na semana passada.

Leia mais: Ceará registrou mais de um ataque por hora desde início da crise

"Repito que estas medidas, além de todas que já tomamos, têm o objetivo de fortalecer o esquema de segurança do nosso Estado no duro combate ao crime organizado que atua nas ruas e no sistema penitenciário. Não aceitamos que aqui no Ceará criminosos presos continuem dando ordem de comando de dentro das prisões, como acontece há décadas em todo o Brasil", afirma Santana no vídeo.

Ainda segundo o governador, os poderes legislativo e judiciário, além do Ministério Público e entidades civis estão "todos unidos" no combate à série de ataques que tiveram início no dia 2 de janeiro. "Assim como estamos unidos ao governo federal, através dos Ministérios da Defesa e da Justiça e Segurança Pública para enfrentar o crime que tenta se impor contra o nosso Estado e contra o País. Não há recuo. O Estado é mais forte", diz o governador.

Transferências

O Ministério da Justiça e Segurança Pública divulgou, nesta sexta-feira, 11, que 15 presos do Ceará foram transferidos para o presídio federal de Mossoró, interior do Rio Grande do Norte. A inclusão foi finalizada às 6h30 desta sexta. Uma escolta conjunta da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e do Governo do Ceará foi organizada para a ação. No total, 35 presos foram transferidos.

Até quinta-feira, 10, foram registrados 180 ataques em Fortaleza e no interior do Estado. Assustada, a população teme que os atentados continuem. As ocorrências comprometem serviços essenciais, como a coleta de lixo, e têm impacto no transporte público. Desde o início dos ataques, os ônibus têm circulado sob escolta em Fortaleza. Em bairros de periferia, criminosos impõem toque de recolher e quebram lâmpadas na via pública para ocultar os ataques.

    Access log