Cidades Chacina em Fortaleza: 5 têm alta e 5 seguem internados

Chacina em Fortaleza: 5 têm alta e 5 seguem internados

Governador anunciou que fará uma força-tarefa para investigar o ataque que matou 14 pessoas

  • Cidades | Sophia Camargo, com informações da Agência Brasil

Local onde ocorreu a chacina em Fortaleza

Local onde ocorreu a chacina em Fortaleza

Foto: Polícia Militar

Cinco pessoas baleadas durante a chacina que deixou 14 mortos no Bairro Cajazeiras, em Fortaleza, receberam alta durante a manhã deste domingo (28).

Segundo a assessoria do Instituto Dr. José Frota (IJF), os pacientes que foram liberados são três mulheres de 16, 17 e 23 anos, um rapaz de 16 anos e um menino de 12 anos.

Quatro pessoas passaram por cirurgia e ainda seguem internadas no IJF: um homem de 24 anos e três mulheres, duas com 16 anos e uma com 19 anos. O estado de saúde deles é estável.

Um homem de 24 anos segue hospitalizado em estado grave no Hospital Distrital Edmilson Barros de Oliveira, o Frotinha Messejana.

Todos estavam reunidos numa festa chamada Forró do Gago, na Rua Madre Tereza de Calcutá, no bairro Cajazeiras, na periferia de Fortaleza, quando foram surpreendidas na madrugada de sábado (27) por homens armados que invadiram o evento e dispararam contra o público formado por jovens. Com quatorze mortes confirmadas, oito mulheres e seis homens, esta já é considerada a maior chacina do Estado.

Há suspeita de que as mortes foram motivadas por uma guerra entre facções. Acredita-se que os assassinos pertençam a uma facção conhecida como Guardiões do Estado (GDE). Eles teriam ordem para matar membros do Comando Vermelho (CV), que seriam os organizadores da festa. Segundo moradores, o bairro é dominado por um acordo entre o CV e a Família do Norte (FDN).

O governador do Ceará, Camilo Santana, anunciou neste domingo pela manhã que fará uma força-tarefa para investigar a chacina. A reunião contou com a participação do secretário de Segurança Pública e Defesa Social do estado, André Costa, e representantes da Polícia Militar, Polícia Civil e Perícia Forense, do Ministério Público e Judiciário.

Pelas redes sociais, o governador Camilo Santana referiu-se à chacina como “ato selvagem e inaceitável”. No texto, ele afirmou que convocou imediatamente o secretário André Costa e a cúpula da Secretaria de Segurança, determinando "rigor absoluto nas investigações e busca incessante dos criminosos”.

Santana quer que todos os envolvidos sejam identificados e presos o mais rápido possível. "Não aceitaremos de forma alguma que esse tipo barbárie fique impune. Confio na nossa polícia e tenho absoluta convicção de que uma resposta será dada muito em breve”, afirmou.

No sábado (27), uma pessoa foi presa, suspeita de participação nas mortes, e um fuzil foi apreendido. Outras pessoas já foram identificadas. A polícia trabalha para prender os suspeitos, auxiliada por outros órgãos públicos.

Confira a história das principais facções brasileiras:

Últimas