CPI da boate Kiss encerra relatório com pedido de desculpas de Santa Maria ao mundo

Vereadores devem apresentar resumo dos trabalhos à mesa diretora nos próximos dias

Comissão foi criada no começo de março para "averiguar e apurar atos e fatos relacionados ao incêndio na boate Kiss"
Comissão foi criada no começo de março para "averiguar e apurar atos e fatos relacionados ao incêndio na boate Kiss" Fábio Dutra/Correio do Povo

A CPI (comissão parlamentar de inquérito) instalada, no começo de março, na Câmara Municipal de Santa Maria, para "averiguar e apurar atos e fatos relacionados ao incêndio na boate Kiss" concluiu o relatório dos trabalhos nesta quarta-feira (3). O documento tem 90 páginas e deve ser apresentado à mesa diretora e ao plenário nos próximos dias. Os vereadores Maria de Lourdes Castro, Dr. Tavores e Sandra Rebelato, integrantes da comissão, fizeram um pedido de desculpas no documento, em nome da cidade. “De plano, Santa Maria pede desculpas ao mundo pelo fato”, diz o texto.

O relatório cita autores de livros jurídicos dizendo que a CPI não julga e não condena e que sua conclusão é política. Ao fim, os vereadores pedem que o documento seja encaminhado aos poderes Executivo Municipal, Estadual, Federal, ao Ministério de Justiça, à Assembleia Legislativa do RS, ao Congresso Nacional e outros órgãos, para tomarem as medidas que julguem necessárias.

De acordo com o documento, as 242 vítimas eram pessoas oriundas de ao menos 63 cidades do Rio Grande do Sul, além de seis jovens de outros Estados e um cidadão estrangeiro. Em quatro meses de trabalho, foram ouvidos secretários municipais, o comandante regional do Corpo de Bombeiros, major Gerson Rosa Pereira e outros funcionários públicos. Além do relatório divulgado, ainda os trabalhos da CPI estão distribuídos em 21 volumes, compostos por documentos, anexos, transcrições de depoimentos.

Suspeita

CPI da boate Kiss é inútil, dizem famílias após gravação de vereadores

Após cinco meses, famílias de vítimas da tragédia na boate Kiss falam em "sensação de injustiça"

A gravação de uma conversa durante uma reunião dos vereadores Lourdes de Castro e Dr. Tavores e de um assessor dele deixou familiares das vítimas em dúvida quanto ao rumo que a CPI tomaria.

Em boa parte da gravação eles demonstram receio com algumas atitudes da relatora, a vereadora Sandra Rebelato (PP). O assessor de Dr. Tavores fala sobre supostas orientações.

— Ela [Sandra] pediu que não poderia dar em nada [a CPI], porque chegaria não sei onde.

A vereadora Maria de Lourdes manifesta preocupação com as investigações chegarem ao nome do secretário municipal de Relações de Governo e Comunicação, Giovani Mânica.

— Vamos jogando, porque vai chegar no [Giovani] Mânica, e chegando no Mânica, vai chegar no prefeito [Cezar Schirmer].

Após a divulgação do áudio, parentes das vítimas ficaram revoltados e ocuparam o plenário da Câmara Municipal no dia 26 de junho. Eles permaneceram no local até o dia 1º.

A assessoria da Câmara disse que a conclusão do relatório não teve interferência com o protesto e que foi seguido um prazo para o término dos trabalhos.